Deputados querem ouvir delator do mensalão do DEM sobre Jaqueline

Em entrevista ao 'Estado', Durval Barbosa afirma que dinheiro entregue a Roriz - registrado em vídeo divulgado pelo estadão.com.br - é oriundo de propinas

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

17 de março de 2011 | 17h28

Deputados do Conselho de Ética querem convidar o ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa a prestar esclarecimentos no processo contra a deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), que deve ser instaurado na próxima semana. Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo publicada nesta quinta, 17, o delator do "mensalão do DEM" afirma que o dinheiro entregue à deputada em vídeo gravado em 2006 é "oriundo de propinas". Como o Conselho de Ética não tem poder de convocação, Durval só comparecerá ao colegiado se desejar.

 

Veja também:

video  Vídeo flagra filha de Roriz recebendo dinheiro de pivô do 'mensalão do DEM'

link  Em gravação inédita, delator do mensalão do DEM diz que autoridades têm cópias de suas fitas

O deputado Fernando Francischini (PSDB-PR) já tinha sugerido na reunião do Conselho realizada ontem que o ex-secretário fosse chamado. Diante da entrevista, Francischini considera a presença do delator ainda mais importante para as investigações. "Ele tem que vir e falar tudo o que sabe para que possamos fazer uma faxina no Congresso. Agora, se ele não vier, nós vamos oficiar ao procurador-geral da República um pedido que retire dele a condição da delação premiada, que está parecendo mais uma chantagem premiada".

O deputado Sílvio Costa (PTB-PE) acredita que o ex-secretário tem de ser o primeiro a ser ouvido logo que for instaurado o processo e escolhido um relator. "A primeira providência tem de ser a de convidar o Durval. Não tem como não chamar. Ela diz que é caixa dois, ele diz que é dinheiro sujo, então, tem que colocar essa questão no Conselho".

O corregedor, deputado Eduardo da Fonte (PP-PE), que trabalha em outra frente de investigação sobre o caso, também acredita que o Conselho deve ouvir o delator. "Essa fase de ouvir o Durval é no Conselho de Ética. Aqui na Corregedoria a gente só faz a instrução, mas acho que no Conselho ele deve ser ouvido. O que ele falou está confirmando o que a cena da gravação mostra". O deputado Sérgio Brito (PSC-BA) é outro que defende a presença de Durval. "Ele é uma das principais testemunhas do caso. Não poderá ficar de fora".

Apenas o deputado petista Sibá Machado (PT-AC) se mostrou mais cauteloso. Para ele, é preciso tomar cuidado para não transformar a investigação contra a deputada em uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). "Se for para ele vir para fazer um depoimento sobre uma penca de coisas, acho que não é válido. Que faça isso na Polícia Federal, no Ministério Público. Se o relator pedir o depoimento, nós iremos analisar. Mas, a princípio, acho que o Conselho não precisa ouvi-lo".

Tudo o que sabemos sobre:
CâmaraéticaDurvalJaqueline Roriz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.