CHARLES SHOLL|FUTURA PRESS
CHARLES SHOLL|FUTURA PRESS

Deputados querem incluir punição a juiz por crime de responsabilidade em lei de abuso de autoridade

A articulação é um 'plano B', no caso de não conseguirem aprovar o tema no pacote de medidas de combate à corrupção analisado na Câmara

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2016 | 10h52

BRASÍLIA - Deputados já articulam dobradinha com os senadores para incluir a previsão de punição por crime de responsabilidade para magistrados e todos os membros do Ministério Público no projeto de Lei do Abuso de Autoridade que tramita no Senado. A articulação é um "plano B", no caso de não conseguirem aprovar o tema no pacote de medidas de combate à corrupção analisado na Câmara.

Nessa quarta-feira, 16, os deputados federais Fausto Pinato (PP-SP) e Félix Mendonça Júnior (PDT-BA) apresentaram parecer alternativo ao do relator do pacote anticorrupção, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que propõe a inclusão de juízes, desembargadores e todos os integrantes do MP na lei que rege crimes de responsabilidade (Número 1.079, de 1950).

A inclusão dessas autoridades na lei não constava do pacote anticorrupção original enviado pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Congresso Nacional, mas foi proposta por Lorenzoni em seu parecer. Após conversa no início desta semana com integrantes da força-tarefa da Operação Lava Jato e Curitiba, porém, o relator desistiu da medida, o que irritou outros deputados.

Nos bastidores, deputados já admitem que será difícil aprovar a previsão de crime de responsabilidade para magistrados e membros do MP no pacote. Por isso, procuram focar em outros pontos da proposta, como anistia para políticos, partidos e empresários que cometerem caixa 2, e deixar a ofensiva contra integrantes do Judiciário para o projeto sobre abuso de autoridade.

Conforme comunicou nessa quarta-feira, 16, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a proposta será votada em 6 de dezembro direto no plenário da Casa, no qual sua aprovação é considerada mais fácil. A articulação é para que o projeto seja aprovado logo em seguida pela Câmara, antes do início do recesso parlamentar, em 22 de dezembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.