Deputados pressionam por retirada de cobrança de inativos

O ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, ouvirá amanhã um apelo de deputados do PT para retirar a cobrança dos servidores inativos da reforma previdenciária a ser enviada ao Congresso na próxima semana. Hoje à noite cerca de 20 parlamentares da ala esquerda do PT vão discutir a proposta, que foi fechada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os governadores. A idéia, segundo disse o deputado Walter Pinheiro (PT-BA), é evitar que a cobrança dos inativos chegue ao Congresso para não contaminar outros itens da reforma. "Isso pode inviabilizá-la", advertiu Pinheiro, que participará do encontro. Os deputados do PT passaram o dia se queixando da proposta de cobrar os servidores inativos. O presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), comentou com parlamentares que foi procurado por petistas tanto da esquerda quanto da ala moderada. Todos reclamando da proposta do governo. "Não aceitamos aumento de receita fiscal às custas da justiça social", resumiu o deputado Chico Alencar (PT-RJ), ao afirmar ser esse o sentimento da bancada que deseja impedir a inclusão da cobrança dos inativos.O líder do PMDB, deputado Eunício Oliveira (CE), disse que a reforma da Previdência precisará ser negociada no Congresso pelo governo. "O gargalo é a contribuição dos servidores inativos", afirmou o líder. Na avaliação do líder do PMDB, para aprovar as reformas da previdência e tributária, o governo terá de organizar sua base parlamentar. Já o líder do PT, deputado Nelson Pellegrino (BA), atribuiu a inclusão dos inativos à reforma da Previdência a uma exigência dos governadores e, por isso, acha que eles devem trabalhar junto às bancadas para viabilizar a taxação. "O pacto final das reformas é aqui no Congresso", disse Pellegrino, deixando claro que, se o presidente Lula assumiu compromisso com os governadores, dificilmente poderá abrir mão da cobrança dos inativos. Os deputados passaram o dia tentando buscar alternativas para compensar a receita dos Estados que têm interesse na taxação. "Podemos mexer no Imposto de Renda para taxar mais os salários altos", disse o deputado Walter Pinheiro (PT-BA), tentando procurar uma saída para apresentar como contraproposta à retirada da cobrança dos inativos. Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.