Deputados pedem destituição de procurador no Amazonas

O conselho de procuradores do Ministério Público do Amazonas encaminha nesta terça-feira um pedido à Assembléia Legislativa para a destituição do procurador-geral licenciado Vicente Cruz de seu cargo. Cruz é acusado de contratar pistoleiros para matar o procurador Mauro Campbell. Outro pedido de destituição do procurador foi protocolado na última sexta-feira pelo deputado estadual Eron Bezerra (PCdoB). Segundo a Constituição Estadual, em seu artigo 28, um procurador só pode ser destituído do cargo por votação da maioria dos deputados estaduais. Mesmo em recesso, a Assembléia pode convocar uma sessão extraordinária para apreciar a solicitação. "Não basta ser honesto, é o que pede o cargo, tem de parecer. O afastamento é indispensável para a credibilidade da instituição Ministério Público", defendeu o deputado. Por conta da acusação, o procurador ficou preso de 9 a 11 de janeiro na sede do Ministério Público. Ele nega a acusação.O motivo levantado para Cruz mandar matar Campbell, o colega procurador, seria a disputa no próximo dia 15 para o cargo de procurador-geral do Estado. Os dois concorrem à vaga e Campbell teria as preferências do governador do Estado, Eduardo Braga (PMDB), responsável por nomear o mais votado de uma lista tríplice. Campbell foi secretário de segurança na primeira administração de Braga Acompanhamento do casoNa semana passada, o presidente do Conselho Nacional do Ministério Público, Antonio Fernando Souza, designou os conselheiros Hugo Cavalcanti e Janice Ascari acompanharem as investigações na Procuradoria Geral de Justiça do Amazonas. Os conselheiros chegariam nesta segunda e vão participar das reuniões que investigam o caso tanto no Ministério Público Estadual quanto na Polícia Civil. Campbell, na última sexta-feira, entrou com processo no Conselho Nacional do Ministério Público contra Cruz. No pedido de providências, Campbell requer o imediato afastamento de Cruz de suas funções institucionais e a aplicação de pena disciplinar. Estão presos pela Polícia Civil os dois supostos pistoleiros contratados para matar Campbell, Franklin Martins, o Frank, a principal testemunha de acusação de Cruz, e o ex-policial militar Lenílson Braga da Silveira, o Carioca. Em depoimento no último sábado, Carioca acusou Cruz de tê-lo contratado como parte da trama para matar Campbell. Élson Moraes, o suposto intermediário na contratação dos matadores, está sendo procurado pela polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.