Deputados montam forró em anexo da Câmara

Nem Campina Grande nem Caruaru. No que depender do deputado paraibano Inaldo Leitão (PSDB), o ?point? mais quente do forró no Brasil será bem distante da duas cidades nordestinas, rivais tradicionais na promoção de festas juninas, e terá como palco um lugar bem mais inusitado: o restaurante do anexo quatro da Câmara, prédio onde está localizada a maioria dos gabinetes dos deputados.Idealizado por Leitão, o forró foi patrocinado por cerca de 40 parlamentares - a maioria deles de Estados do Nordeste - que fizeram uma "vaquinha" com cotas entre R$ 100 e R$ 300 para promover uma verdadeira festa junina. E não faltou nada que lembrasse as tradicionais e disputadas festas nordestinas. O cantor Chico Pessoa foi "importado" diretamente do Ceará. Já o sanfoneiro, conhecido como Chico do Acordeão, também veio do Nordeste: de João Pessoa, com passagem e estadia pagas pelo prefeito da cidade, Cícero Lucena. "O prefeito quis aproveitar para divulgar o forró da Paraíba", explicou o deputado. A quadrilha era mesmo de Brasília, trazida pelo deputado petista Geraldo Magela (DF). "O Chico estava aqui em Brasília para lançar um disco e aproveitamos para trazê-lo para festa, mas vamos pagar um cachê", afirmou Inaldo Leitão. O valor do cachê do cantor dependeria do que sobrasse de dinheiro da festa. "Devemos dar uns R$ 2 mil para ele." A "vaquinha" dos deputados rendeu cerca de R$ 4,2 mil, gastos em comida e bebida, distribuídas gratuitamente para quem compareceu à festa. Promovido entre 15h e 18h por causa do racionamento, o forró parlamentar atraiu políticos de todas as ideologias. E apesar do horário de trabalho, havia bebida alcóolica - cerveja e uísque oito anos -, além de refrigerantes. As comidas eram típicas de festas juninas e iam desde o tradicional bolo de milho e pamonha até o churrasquinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.