Deputados gastam R$ 300 mil e chegam atrasados a Marrakesh

O tour dos 11 deputados que viajaram para o Marrocos, no início da noite de quarta-feira, plena votação da emenda constitucional que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 31 de dezembro de 2004, será curto e está custando caro aos cofres públicos. A caravana de deputados deverá retornar de Marrakesh amanhã. Para financiar a excursão, o Grupo Brasileiro da União Interparlamentar recebeu R$ 300 mil, gastos em apenas quatro dias. Ou seja, a viagem de cada deputado ao Marrocos para participar da 107ª Conferência Interparlamentar está custando R$ 27,27 mil - um pouco mais de $ 11 mil pelo dólar turismo. Mas os 11 deputados - três do PFL, seis do PMDB, um do PSDB e um do PPB - chegaram bem atrasados para a Conferência Interparlamentar: o encontro começou no dia 17 de março e termina neste sábado. A trupe de deputados brasileiros só desembarcou em a Marrakesh na quinta-feira (dia 21). "Esse viagem foi imprópria porque, além de ser no momento errado por estarmos votando a CPMF, a Conferência já esta praticamente no fim", afirmou o líder do PT na Câmara, deputado João Paulo (SP). Além de participarem por apenas três dias do encontro, os deputados também não devem ter tido muito o que fazer, principalmente nesta sexta-feira. Pela programação da Conferência, o dia foi praticamente todo dedicado à reunião de mulheres parlamentares. E na caravana dos 11 deputados, que partiu para o Marrocos, há apenas uma mulher: a deputada Ana Catarina, do PMDB do Rio Grande do Norte. A programação para este sábado também é curta: prevê a reunião do Conselho Interparlamentar, das 9h às 14h, e depois os deputados ficam liberados para passear por Marrakesh.Os deputados viajaram a convite da União Interparlamentar, que tem recursos no Orçamento da Câmara. "Tinha que haver uma fiscalização mais rigorosa para essas viagens porque, afinal, elas são custeadas com verba da Câmara", defendeu o deputado José Genoíno (PT-SP). "Mas é sempre assim: toda vez que tem um feriado prolongado, tem sempre uma viagem na semana anterior", disse o petista. Para 2002, o Grupo Brasileiro da União Interparlamentar tem R$ 743,5 mil para gastar, previstos no Orçamento da Câmara. Até agora, já foram liberados R$ 425 mil - R$ 300 mil para a viagem ao Marrocos e R$ 125 mil com o pagamento de anuidade a organismo internacional. No ano passado, a União Interparlamentar recebeu R$ 514.878,00. Deste total, R$ 240 foram gastos em duas viagens: R$ 170 mil para uma delegação de parlamentares participar da 105ª Conferência Interparlamentar, de 1º a 7 de abril, em Havana, Cuba, e R$ 70 mil para financiar as despesas de um grupo de congressistas que foram a Genebra, na Suíça, para uma reunião sobre comércio internacional. O restante dos recursos, de acordo com o Sistema Integrado de Acompanhamento Financeiro (Siafi), foi gasto com o pagamento de anuidades a organismos internacionais e a título de subvenção. A caravana de 11 deputados ao Marrocos poderia ter sido bem maior, se não fosse a interferência dos líderes governistas. Os deputados Pedro Valadares (PSB-SE), Barbosa Neto (PMDB-GO), Simão Sessim (PPB-RJ) e Alexandre Santos (PSDB-RJ) desistiram na última hora da viagem e preferiram ficar Brasília para votar a CPMF.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.