Deputados fazem, em 2 anos, 1.885 voos para o exterior

Câmara pagou média de 89,8 deslocamentos por mês

Marcelo de Moraes, O Estadao de S.Paulo

23 de abril de 2009 | 00h00

No período de janeiro de 2007 a outubro de 2008, os deputados utilizaram a cota de passagens da Câmara para fazer nada menos do que 1.885 viagens internacionais, segundo levantamento feito pelo site Congresso em Foco. Isso equivale a 89,8 viagens internacionais por mês, pagas com as verbas destinadas, em tese, para custear os deslocamentos desses parlamentares de Brasília para seus Estados de origem. Esse ritmo representa, praticamente, a emissão de três bilhetes por dia para o exterior.A prática de usar esse expediente para viajar ao exterior se disseminou entre os parlamentares, abrangendo mais da metade do total de integrantes da Câmara. Ao todo, 261 dos 513 deputados - 51% deles - acumularam créditos que teriam direito pelas viagens que não fizeram para seus Estados e trocaram isso por passagens internacionais.Os bilhetes não foram aproveitados apenas por políticos, mas também por seus parentes e por terceiros, nem sempre identificados pelos parlamentares que emitiram a passagem.CUSTOA despesa com essas viagens também não foi baixa. Apenas nesse período de 21 meses, essas passagens internacionais custaram aos cofres públicos R$ 4,7 milhões, sendo R$ 3 milhões no valor dos bilhetes e R$ 1,7 milhão em pagamento de taxas de embarque. Uma média de gastos de R$ 226,9 mil mensais com esse tipo de despesa.Nos roteiros internacionais escolhidos pelos políticos e seus parentes aparecem apenas 13 cidades como destino: Miami e Nova York (Estados Unidos); Paris (França), Londres (Inglaterra), Roma e Milão (Itália), Bariloche e Buenos Aires (Argentina), Madri (Espanha), Frankfurt (Alemanha), Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai) e Caracas (Venezuela).O campeão desses deslocamentos foi o deputado Dagoberto Nogueira Filho (PDT-MS), que emitiu 40 passagens internacionais através do sistema. Outros 17 deputados fizeram mais de 20 viagens para o exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.