Deputados endossam livreto contra senador

Cinco deputados do Maranhão, entre eles Roberto Rocha (PSDB), Julião Amin (PDT) e Ribamar Alves (PSB), presidentes de suas siglas no Estado, encaminharam à presidência da Câmara documento em que se declaram coautores do livreto O Camaleão, escrito pelo deputado Domingos Dutra (PT-MA), denunciando supostos desmandos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

04 de setembro de 2009 | 00h00

O livreto, que tem 36 páginas e chama Sarney de traíra, o compara a um camaleão que se adapta conforme seus interesses e o acusa de uma série de fraudes no Maranhão, passou a ser distribuído em julho pelo deputado, em Brasília. Como represália, Sarney entrou com um pedido formal de abertura de processo disciplinar contra Dutra na Câmara. No pedido, ele afirma que Dutra feriu o Código de Ética e Decoro da Câmara e do Senado, ao entrar no plenário da Casa e distribuir o título que faz "referências agressivas à pessoa do presidente do Senado Federal".

Dutra foi notificado pela Corregedoria da Câmara, o que levou os deputados a apresentarem o pedido de apoio, para evitar um possível processo de cassação. "Fizemos isso porque esse é o método do Sarney. Depois de censurar o Estadão, ele agora tenta censurar até o livre direito de expressão de um deputado", afirmou Rocha. O corregedor da Câmara, ACM Neto (DEM-BA), prepara um parecer para decidir se abre processo contra Dutra ou não.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.