Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Deputados eleitos devem cumprir mandato, afirma RenovaBR

Segundo fundador do grupo, deixar o cargo para concorrer em 2020 contraria grupo

Paulo Beraldo e Vinicius Passarelli, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2019 | 05h00

Ainda que nomes como o da deputada Tabata Amaral (PDT-SP) tenham ganhado projeção após enfrentar o partido e votar pela reforma da Previdência, deixar o mandato e disputar as eleições de 2020 contraria o que grupos de renovação política como o RenovaBR – do qual a parlamentar faz parte – preveem para quem passa por seus cursos de formação.

“Afastar-se do mandato para disputar outra eleição enquanto desempenha seu primeiro mandato eletivo representa um descompromisso com nossa instituição”, afirmou o fundador do RenovaBR, o empresário Eduardo Mufarej. O grupo tem apoio de nomes como o apresentador Luciano Huck.

Antes de Tabata contrariar a orientação do PDT sobre a reforma da Previdência, líderes do partido cogitavam uma candidatura da deputada para disputar a Prefeitura de São Paulo no ano que vem.

Após votar a favor de mudanças na aposentadoria, ela foi suspensa pela legenda. Pesquisa da consultoria Ideia Big Data mostrou que sua aprovação subiu de 30% para 61% em julho, após a votação da Previdência na Câmara. A parlamentar já negou que pretende concorrer à Prefeitura paulistana em 2020.

Entre os nove integrantes da “bancada do RenovaBR” na Câmara, apenas a deputada Joênia Wapichana (Rede-RR) foi contrária à reforma da Previdência. O RenovaBR disse que não influencia o voto de parlamentares e apoia a formação de quadros “independentemente da ideologia”. Segundo Mufarej, “atritos” não vão mudar a forma como os candidatos são selecionados pelo RenovaBR. “Ninguém foi pego de surpresa, o cenário real da política sempre foi apresentado”, disse. “Não formamos lideranças para uma bolha.”

TV Estadão: ‘Ninguém pode servir a dois senhores’, diz Ciro Gomes

Nesta semana, o ex-ministro Ciro Gomes, que disputou a Presidência pelo PDT no ano passado, chamou grupos de renovação de política de “partidos clandestinos”. A economista e conselheira do movimento Livres, Elena Landau, rebateu. “Não adianta falar em clandestinidade. Eu também não sei como os partidos gastam o dinheiro do fundo público”, disse. Para ela, os grupos devem ser transparentes. “É importante que os movimentos digam como são seus estatutos, como as pessoas são escolhidas e prestem contas.”

Presidente do Livres, Paulo Gontijo afirmou que “movimentos políticos sempre lançaram candidatos”. “Queremos melhorar os partidos, não extinguir ou sabotar.” O presidente do Transparência Partidária, Marcelo Issa, defendeu alterações nas legislações partidárias para haver mecanismos de democratização dos processos internos de tomada de decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.