Deputados do Rio pedem que Lessa continue no BNDES

Os deputados fluminenses Chico Alencar (PT), Denisse Frossard (PSDB) e Miro Teixeira (sem partido) iniciaram um abaixo-assinado para convencer o governo a manter no cargo o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa.O manifesto foi lançado nesta segunda-feira em cerimônia da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio de Janeiro e ganhou a adesão da OAB-RJ, da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) e do jurista Fábio Konder Comparato.O documento deve ser entregue o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no final da semana. Em nove linhas, lembra que Lessa ?tem se empenhado na reconstituição do BNDES como um banco público de fomento a um projeto de desenvolvimento nacional de geração de renda, emprego e soberania- compromisso do governo Lula?.O texto indica como causa da pressão contra Lessa a insistência de ?forças poderosas do privativismo? em ?fazer o BNDES retornar ao seu papel de linha auxiliar do rentismo e estancar suas operações de crédito com custos relativamente baratos.?Demissão decididaNa última sexta-feira, fontes próximas ao governo confirmaram que Lula já teria decidido pela demissão de Lessa. Durante a semana passada, o presidente do BNDES e seu vice, Darc Costa, concederam entrevistas com durascríticas à política econômica do governo.Para Lessa, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, seria o ?regente? de uma orquestração para desmontar o banco e entregar o dinheiro do Fundo de Amparo aos Trabalhadores (FAT) aos bancos privados.O deputado Chico Alencar disse que pretende conseguir mais assinaturas para o manifesto em Brasília. Segundo ele, a demissão de Lessa seria ?uma sinalização terrível? de que o governo estaria cedendo ainda mais às pressões do mercado financeiro.O presidente do BNDES passou o fim-de-semana em Petrópolis, na região serrana do Rio e não foi encontrado para comentar as notícias sobre sua demissão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.