Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Deputados do PT questionam 'relação promíscua' entre PF e filme da Lava Jato

Parlamentares alegam que corporação cedeu 'equipamentos, pessoal, avião e viatura' para gravações

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2017 | 22h37

BRASÍLIA - Deputados do PT vão entrar nesta quinta-feira, 6, com representações contra agentes da Polícia Federal e o juiz Sérgio Moro sob a acusação de terem colaborado e vazado informações sigilosas para a produção do filme sobre a Operação Lava Jato. Previsto para estrear em julho, a produção Polícia Federal - A Lei É para Todos vai contar a história das investigações sobre o esquema de corrupção da Petrobrás.

Para os deputados, levanta suspeita o fato de uma produção, orçada em R$ 15 milhões, ter apenas um investidor secreto. Eles afirmam que se estabeleceu “uma relação muito estranha” entre a PF e os produtores do filme.

Os parlamentares também argumentam que o órgão cedeu "equipamentos, pessoal, avião e viatura" para as gravações, o que configuraria uma “relação promíscua”, já que não há previsão legal para esse tipo de transação. Eles também condenaram o fato de os atores terem visitado a carceragem da PF em Curitiba.

Segundo os deputados, pelo menos dez agentes da Polícia Federal participaram do apoio à produção do filme e serão mencionados na representação que será enviada ao Ministério Público Federal. A acusação é de que eles praticaram crimes de improbidade administrativa, peculato, abuso de autoridade e prevaricação.

Já a representação contra Moro será no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e foi motivada pela suspeita de que atores do filme tiveram acesso a imagens da condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O juiz já foi foi acionado pela defesa de Lula no mês passado por conta desse motivo.

As peças serão assinadas pelos deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP). Procurada, a assessoria de imprensa disse que a Polícia Federal não iria se manifestar. O Estado não conseguiu contato com o juiz Sérgio Moro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.