Deputados do PSDB na CPI querem que MP investigue Abin e PF

Gustavo Fruet, que integra a CPI dos Grampos, quer que MP investigue atuação dos órgãos após Satiagraha

Andréia Sadi, do estadao.com.br

12 de novembro de 2008 | 17h49

Os deputados tucanos Gustavo Fruet (PR) e Wanderlei Macris (SP) querem que o Ministério Público investigue a Agencia Brasileira de Inteligência (Abin) e a Polícia Federal sobre sua atuação durante as investigações da Operação Satiagraha. Fruet disse ao estadao.com.br que, junto a Macris, vai encaminhar a sugestão ao presidente do partido, Sérgio Guerra (PE), para investigar o que ele classifcou de "disputa entre órgãos sem governo".   Veja também: Presidente da CPI dos Grampos quer prorrogar trabalhos Especial explica a Operação Satiagraha Multimídia: As prisões de Daniel Dantas Daniel Dantas, pivô da maior disputa societária do Brasil   "Queremos que o MP investigue, ainda não é posição do partido. (Para apurar) Abuso de autoridade e impunidade. Para tentar estabelecer quem está no comando porque daqui a pouco todos estão sob suspeita, isso não é bom. Está havendo suspeitas so sobre a Abin e a Polícia Federal, alguma coisa está errada nisso", disse.   Após quase três semanas paradas, a CPI dos Grampos retomou os trabalhos com novos objetivos: investigar a Polícia Federal pela suposta quebra de sigilo sem autorização judicial de jornalistas e outras pessoas no dia em que foi deflagrada a Operação Satiagraha, além de prorrogar a apuração da comissão. Em entrevista ao estadao.com.br, o presidente da CPI, Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) disse que as investigações "não têm lado".   "Queremos verificar se a PF na investigação contra o Protógenes também se utilizou de meios indevidos. Minha investigação não é dirigida nem contra nem a favor de ninguém, (é)objetivando se existem grampos ou quebras de sigilo de forma incorreta e ilegal, não importa quem as faça".   A Operação Satiagraha, comandada pelo delegado Protógenes Queiroz, prendeu, entre outros, o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas e o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.