Deputados desistem de ouvir embaixador do Brasil na Venezuela

Comissão na Câmara cogitava convidar Pereira a esclarecer o que foi feito para assistir grupo de senadores brasileiros

DAIENE CARDOSO / BRASÍLIA, ERICH DECAT, ENVIADO ESPECIAL / CARACAS, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2015 | 02h04

A Comissão de Relações Exteriores da Câmara desistiu por ora de convidar o embaixador do Brasil na Venezuela, Ruy Pereira, a prestar esclarecimentos aos parlamentares sobre o incidente envolvendo a comitiva de senadores brasileiros na semana passada, em Caracas. O requerimento foi discutido, mas retirado de pauta.

Na quinta-feira passada, oito parlamentares liderados pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, retornaram ao Brasil após cinco horas de espera e duas tentativas frustradas de sair do aeroporto metropolitano em direção ao centro da capital venezuelana. O veículo em que se encontravam foi cercado por manifestantes pró-governo Nicolás Maduro. Os senadores acusam a diplomacia brasileira de não ter dado o suporte necessário para garantir a segurança da comitiva.

Em razão disso, um outro grupo de senadores foi formado para visitar a Venezuela. O desembarque do grupo, integrado pelo PT e outros partidos de esquerda, estava previsto para à noite de ontem. São eles: Lindbergh Farias (PT-RJ), Roberto Requião (PMDB-PR), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), Lídice da Mata (PSB-BA), Vanessa Grazziotin (PC do B-AM) e Telmário Mota (PDT-RR). O desembarque ocorreria um dia após o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela marcar a data das eleições parlamentares para 6 de dezembro.

A definição do calendário era uma das principais reivindicações dos opositores locais. O tom que deve ser a tônica dos próximos meses foi dado pelo presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, deputado Diosdado Cabello (PSUV), em discurso realizado ontem em comemoração à Batalha de Carabobo. "A oposição diz ter a data, 6 de dezembro, mas nós temos os votos", disse Cabello, que deve receber o grupo de parlamentares brasileiros hoje à tarde. Na agenda dos senadores também estavam previstas visitas às Vítimas da Guarimba, às mulheres de políticos opositores presos e a representantes da Mesa da Unidade Democrática, composta pelos partido de oposição. Os parlamentares iriam também ao Ministério Público.

Convite. Na sessão de ontem, a comissão da Câmara acabou aprovando um convite para o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, prestar esclarecimentos aos deputados. O pedido foi apresentado originalmente como uma convocação pelo líder do PPS, Rubens Bueno (PR), mas depois foi transformado em convite. O mote é a reclassificação de documentos sigilosos relacionados à Odebrecht, mas os deputados também podem questionar Vieira sobre a atuação da embaixada na Venezuela.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.