Deputados convocam Carvalho para falar sobre demarcação de terra indígena

Comissão de Agricultura da Câmara querem que ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência dê explicações sobre atuação federal na reintegração de posse da Fazenda Buriti (MS)

Venilson Ferreira - Agência Estado

12 Junho 2013 | 12h29

A Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira, 12, o requerimento de convocação do ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, para prestar esclarecimentos sobre a política indigenista do governo federal. O requerimento de autoria do deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS) foi aprovado por 25 votos favoráveis e 10 contrários, do PT e PMDB.

 

Os partidos que votaram contra queriam transformar a convocação em convite. Gilberto Carvalho teria aceito participar da audiência como convidado na próxima quinta-feira, 20. No caso da convocação, o ministro deve comparecer à comissão dentro de um prazo de 30 dias.

 

O deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB-MS) argumentou, em defesa da convocação, que Gilberto Carvalho precisa explicar a declaração de que a presidente Dilma teria dito ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que teria sido melhor a Polícia Federal (PF) não ter cumprido a desocupação da Fazenda Buriti, em Sidrolândia (MS), onde um índio morreu após levar um tiro durante ação policial para reintegração de posse.

 

A morte de Oziel Gabriel motivou a criação de um fórum de negociação entre proprietários de terra e os índios terena no Estado para discutir a situação da fazenda. Na semana passada, governo também enviou 110 homens Força Nacional para evitar novos conflitos na região.

 

A crise gerada pela ação de reintegração também teria motivado a saída da antropóloga Marta Maria Azevedo da presidência da Fundação Nacional do Índio (Funai), na semana passada.

 

 

Mais conteúdo sobre:
índios MS Câmara Gilberto Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.