AFP
AFP

Deputados 'bolsonaristas' desconhecem detalhes sobre novo partido citado pelo presidente

Em viagem ao Oriente Médio, presidente falou sobre possibilidade de criar o 'Partido da Defesa Nacional'

Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2019 | 18h26

BRASÍLIA - O Partido da Defesa Nacional, citado nesta segunda-feira, 28, pelo presidente Jair Bolsonaro, é pouco ou nada conhecido entre os aliados do presidente no Congresso. As deputadas Bia Kicis (PSL-DF) e Carla Zambelli (PSL-SP) dizem nunca ter ouvido falar sobre a nova sigla. O deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) afirmou já ter ouvido a ideia, mas não sabe se há iniciativas em andamento para viabilizar a legenda. 

O primeiro passo para se criar o PDN no Brasil é recolher 101 assinaturas de fundadores com domicílio eleitoral em, no mínimo, nove Estados. Depois, passa-se à fase de coleta do apoio mínimo de eleitores, a ser validado pelos cartórios eleitorais.

Já o deputado Bibo Nunes (PSL-RS) aponta o Partido da Defesa Nacional, ou PDN, como uma das possibilidades estudadas por Bolsonaro para deixar a atual legenda. "É um das possibilidades entre tantas. O que importa agora é sair do PSL", afirmou Nunes ao Estadão/Político

Nesta segunda, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, Bolsonaro disse pensar em criar a sua própria legenda. O nome, afirmou ele, poderia ser Partido da Defesa Nacional ou PDN. Para Nunes, Bolsonaro deve deixar o PSL após o partido concretizar a expulsão o filho dele, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), atual líder da bancada da sigla na Câmara.

Um processo foi aberto no Conselho de Ética do PSL na semana passada para destituição de Eduardo do cargo ocupado por ele, como presidente do Diretório de São Paulo, e para sua expulsão da legenda. O deputado tem até sexta-feira para apresentar uma defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.