Deputados atribuem à presidência da Assembleia divulgação de lista de funcionários

Questionados pelo estadão.com.br, os parlamentares se disseram favoráveis mas somente 1 divulgou a lista em seu site particular

estadão.com.br

30 de novembro de 2011 | 22h56

Deputados estaduais paulistas se disseram favoráveis à publicação da lista com os nomes e as funções dos 4 mil servidores da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). Até 21h de quarta-feira, 30, treze dos 94 parlamentares responderam ao questionamento do estadão.com.br sobre a divulgação do corpo de funcionários da casa, que é mantida em sigilo e foi alvo de uma batalha judicial.

 

Os deputados afirmam que concordam em dar mais transparência à lista de servidores, mas a maior parte desses parlamantares atribuiu à direção da Assembleia a tarefa de divulgar os nomes dos empregados da Casa.

 

A Justiça de SP ordenou que o Legislativo divulgasse em “periódico oficial” a lista completa de seus servidores e os cargos que eles ocupam. Para evitar a divulgação, deputados chegaram a acionar o Supremo Tribunal Federal (STF). A Assembleia ainda não foi notificada da decisão judicial.

 

O estadão.com.br perguntou aos 94 deputados, por e-mail ou Twitter, se eles são favoráveis à divulgação da lista de servidores da Assembleia e se eles pretendem divulgar os nomes dos funcionários de seus gabinetes.

 

André Soares, do DEM, disse que não há obstáculos à divulgação dos funcionários da Alesp pela mesa diretora.

 

O deputado Baleia Rossi (PMDB) afirmou não ver problema na publicação dos nomes e informou que a mesa diretora da Assembleia está providenciando a divulgação.

 

Beto Trícoli, do PV, disse apoiar a transparência e se comprometeu a publicar a lista de servidores de seu gabinete.

 

O parlamentar Carlão Pignatari (PSDB) apoiou a iniciativa, que classificou como "uma maneira transparente de legislar". Pelo Twitter, ele disse que já divulgou os nomes, mas não divulgou link para nenhuma lista - o que provocou cobranças na rede social.

 

Geraldo Cruz (PT) também declarou ser favorável à publicação, e indicou que os nomes e as funções dos servidores de seu gabinete foram divulgadas em seu site.

 

O deputado Donisete Braga, também do PT, disse ser favorável à iniciativa. Seu gabinete informou que ele espera a divulgação dos nomes pela mesa diretora da Assembleia.

 

Estevam Galvão (DEM) também afirmou que a publicação dos dados deve ser feita pela presidência da Casa.

 

Feliciano Filho, do PV, afirmou que pretende atender a solicitação do Ministério Público e da mesa diretora da Assembleia, pois não tem "nada a esconder".

 

O deputado Milton Vieira (PSD) disse que a ação deve ser tomada pela presidência da Casa, "até mesmo porque há uma questão jurídica neste caso".

 

Pedro Tobias, do PSDB, afirmou ser a favor da "total transparência".

 

A equipe do deputado Rui Falcão (PT) declarou que a Assembleia vai divulgar a lista de servidores "nos próximos dias".

 

Vitor Sapienza (PPS) limitou-se a dizer que concorda com a divulgação, caso esta seja a disposição legal.

 

Edinho Silva também se pronunciou a favor da divulgação.

Em reportagem publicada no domingo, 28, o ‘Estado’ mostrou que o Legislativo de São Paulo mantém funcionários comissionados que cumprem jornada dupla, muitas vezes em cidades distantes, e que, não raro, não são vistos na Casa.

 

O estadão.com.br divulgou uma lista com o e-mail e o perfil no Twitter de todos os deputados da Assembleia. O objetivo é incentivar eleitores a cobrarem dos parlamentares a publicação da lista de servidores e dos gastos com pessoal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.