Deputado troca de partido enquanto STF julga fidelidade

Enquanto o Supremo Tribunal Federal (STF) está reunido julgando se os deputados que mudaram de partido devem devolver seus mandatos às legendas pelas quais se elegeram, o deputado Paulo Rubem Santiago (PE) deixou o PT e se filiou ao PDT, partido que também integra a base do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Santiago disse estar tranqüilo de que, qualquer que seja a decisão do Supremo, o mandato dele estará garantido. Ele se considera incluído na regra que permite mudanças partidárias por divergência programática e ideológica do parlamentar com o partido pelo qual foi eleito. Santiago foi um dos fundadores do PT. "Estou em situação peculiar. Não é por fisiologismo, não é por obtenção de vantagens nem por interesse pessoal", afirmou. "Há divergências programáticas e do ponto de vista ético com o PT", continuou o deputado. Santiago lembrou que foi punido pelo PT com suspensão porque votou contra a proposta de reforma da Previdência do presidente Lula. Ele também alegou ter feito diversos pronunciamentos críticos à política macroeconômica do governo."Estou muito tranqüilo. Se houver a abertura de processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) eu vou poder me defender", afirmou. O deputado disse que foi uma coincidência a sua filiação ter ocorrido hoje, mesmo dia do julgamento no Supremo. A data da filiação foi em decorrência do processo de articulação da mudança partidária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.