André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Deputado quer que Dallagnol explique sugestão de busca e apreensão no Congresso

Vice-presidente da Cãmara, Fábio Ramalho (MDB-MG) não gostou da declaração do coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná em rede social

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2018 | 20h45

BRASÍLIA - O vice-presidente da Câmara, Fábio Ramalho (MDB-MG), fez um discurso acalorado nesta noite no plenário propondo a convocação pela Casa do procurador da República, Deltan Dallagnol. O emedebista quer que o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná explique sua declaração no Twitter, onde ele sugeriu que se o governo pode usar mandado coletivo de busca e apreensão em favelas fluminenses, a iniciativa também pode se estender ao Parlamento. 

“Eu pediria a ele que respeitasse essa Casa. Nós somos eleitos pelo povo. Respeite essa Casa”, esbravejou. “Vou pedir a essa Casa que convoque o senhor Dellagnol para que ele venha aqui dar explicações. Se quiser falar alguma coisa, vá para as ruas, se eleja e venha aqui fazer as mudanças. Todas as coisas que estão aí hoje, as delações, só existem porque esse Congresso votou. Respeite o Congresso brasileiro”, completou o deputado, que foi aplaudido por colegas no plenário.

++ ‘Se cabem buscas nas favelas do Rio, cabem também nos gabinetes do Congresso’, diz Deltan

Mais cedo, o procurador usou sua conta em rede social para criticar a medida que pode ser aplicada durante a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro. "Se cabem buscas e apreensões gerais nas favelas do Rio, cabem também nos gabinetes do Congresso. Aliás, as evidências existentes colocam suspeitas muito maiores sobre o Congresso, proporcionalmente, do que sobre moradores das favelas, estes inocentes na sua grande maioria", afirmou o procurador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.