Deputado quer proibição de pesquisas às vésperas de eleições

O deputado federal Luciano Zica (PT), derrotado no primeiro turno em Campinas, afirmou nesta sexta-feira que pretende criar um projeto de lei para proibir a divulgação de pesquisas eleitorais 15 dias antes de eleição. Ele disse que começará na próxima semana a coletar assinaturas para o projeto, a ser submetido ao Congresso Nacional. Zica alegou que se sentiu prejudicado pela pesquisa do Ibope divulgada na véspera do pleito em Campinas.Segundo a pesquisa, encomendada ao Ibope pela EPTV Campinas, Zica tinha 14% das intenções de votos e Hélio de Oliveira Santos (PDT), 20%. Tecnicamente, estavam empatados em segundo lugar, já que a margem de erro era de 4% para mais ou para menos. Zica alegou, entretanto, que obteve 21,56% dos votos, 7,56% acima da porcentagem divulgada pelo Ibope e, portanto, 3,56% acima da margem de erro de 4% considerada pelo Instituto. Santos conseguiu 22,63% dos votos e Carlos Sampaio (PSDB), que tinha 37% de intenção de votos na pesquisa, terminou a eleição com 39,85%. "Não é possível que a margem de erro tenha falhado somente no meu caso", indignou-se Zica. Ele atribuiu aos números sua derrota nas urnas. "Muita gente me disse que ia votar no Dr. Hélio para praticar voto útil, achando que eu não teria chance no segundo turno".Nesta sexta-feira, o PT foi comunicado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Campinas que teve negado seu pedido de recontagem de votos. A assessoria de imprensa do partido informou que a decisão seria analisada pelo diretório para avaliar se cabia ou não recorrer.Indicação de votoO partido anunciou nesta sexta-feira que irá indicar aos militantes e simpatizantes que votem no candidato do PDT, Hélio de Oliveira Santos, no segundo turno das eleições municipais. A "indicação de voto", como preferiu definir o partido, no lugar de apoio, não será acatada por Luciano Zica. "Não vou escolher entre o ruim e o péssimo", disse. A decisão do PT de indicar a votação em Santos é uma manobra para tentar fortalecer a candidatura do adversário de Carlos Sampaio (PSDB) no segundo turno. O partido não está interessado na eleição de Santos, mas na derrota de Sampaio, não escondem os petistas. "Não vamos subir em palanque, fazer campanha nem participar do governo, caso Dr. Hélio seja eleito. Se isso acontecer, seremos oposição", afirmou o presidente do PT em Campinas, João Leite. De acordo com o comunicado divulgado pelo PT, a indicação de voto em Santos é "a única opção de que dispomos hoje para evitar um desastre para Campinas". O comunicado diz ainda que Campinas "já sofreu demais nas mãos do PSDB e do PP" e que "Carlos Sampaio é um perigo que precisamos a todo custo evitar". O PSDB e o PP, coligados na chapa de Sampaio, governaram Campinas antes da atual administração petista.Zica comentou que fará campanha contra o PSDB em Campinas, "mas não a favor do Dr. Hélio". Ele defendeu que "tem razões de sobra" para preferir que a população escolha em quem votar. "O PDT é um partido em extinção, que faz oposição ao governo Lula, fez um jogo político em Niterói e está contra o PT em Porto Alegre", argumentou. O candidato derrotado afirmou, porém, que continuará atuando em favor de Campinas na Câmara dos Deputados independente do prefeito eleito. O PT é o segundo partido a anunciar apoio a Santos. O PCdoB já havia divulgado que apoiaria o candidato do PDT. Sampaio, por sua vez, recebeu o apoio do PSDC, cujo candidato Ricardo Xavier foi derrotado nas eleições, obteve 1,23% de votos.O PL de Fernando Quércia, que no primeiro turno conseguiu 2,84% de votos, e o PSB de Jonas Donizete, que teve 10,57% de votos, também estão na mira do tucano e do pedetista. Nesta sexta-feira, a assessoria de imprensa do PSDB comentou que Sampaio estava em reunião negociando apoio de vários partidos da cidade, inclusive os que integraram coligações derrotadas no primeiro turno, mas não divulgou detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.