Deputado quer acabar CPI das Obras Inacabadas

O deputado Regis Cavalcanti (PPS-AL) protocolou requerimento na Mesa da Câmara solicitando que o presidente da Casa, deputado Aécio Neves (PSDB-MG), convoque, em caráter extraordinário, a CPI que investiga as obras inacabadas. O deputado alega que o presidente da comissão, Damião Feliciano (PMDB-AL), não está tomando providências para que ela se reúna, impedindo assim deliberações sobre o futuro das investigações. Damião está sendo apontado como suspeito de ter tentado extorquir dinheiro de empresários da construção civil, em troca de poupá-los nas investigações da CPI. Em razão disso, o plenário da Câmara rejeitou, por unanimidade, pedido de prorrogação dos trabalhos da comissão de inquérito. O prazo para votação do relatório final termina na próxima terça-feira. Regis Cavalcanti anexou ao requerimento um documento semelhante, feito por mais de um terço dos deputados que integravam a comissão especial da Câmara que examinou denúncia contra o então presidente Fernando Collor, por prática de crime de responsabilidade. O documento, apresentado em 23 de stembro de 1992, solicitava ao então presidente da Câmara, Ibsen Pinheiro, que convocasse a comissão para apreciação do parecer do relator, que era o então deputado Nelson Jobim, uma vez que o presidente da Comissão, Gastoni Righi, estaria protelando essa reunião. Ibsen Pinheiro atendeu à solicitação, estabelecendo o que Regis Cavalcanti considera uma jurisprudência. Tal como o requerimento de 1992, o que foi apresentado hoje por Cavalcanti também conta com a assinatura de mais de um terço dos integrantes da comissão. O presidente da Câmara será provocado a dar uma resposta à solicitação. Cavalcanti disse que os integrantes da comissão ainda deverão fazer uma tentativa de solicitar novamente ao plenário a prorrogação dos seus trabalhos, mas o relator, deputado Anivaldo Valle (PSDB-PA), já está com o parecer praticamente pronto e, por causa das suspeitas de irregularidades que pesam sobre a comissão, não pretende pedir prorrogação dos trabalhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.