Deputado que se ''lixa'' atuou no BB por crédito a doadores

Trabalho de pressão de Moraes no início deste ano e visava à liberação de R$ 2 bi para indústrias de cigarro

Ricardo Brandt, O Estadao de S.Paulo

13 de maio de 2009 | 00h00

O deputado Sérgio Moraes (PTB-RS), que disse se "lixar" para a opinião pública, atuou no início deste ano diretamente no Banco do Brasil e no governo federal para defender os interesses dos produtores de fumo e das indústrias de cigarro, entre elas a Alliance One Brasil Exportadora de Tabacos Ltda. e a CTA Continental Tabaco Alliance S.A., que juntas doaram 59% dos recursos arrecadados oficialmente em sua campanha de 2006. A atuação assumida publicamente por ele visava à liberação de créditos de R$ 2 bilhões para promover a produção e a exportação da safra do produto, em risco por causa da crise.Além do crédito, o trabalho de "pressão" do deputado ajudou a conseguir a autorização de reajuste de 13,1% para o tabaco, uma vitória para a indústria do setor. "Nós estamos pressionando o Banco do Brasil para liberar ao redor de US$ 1 bilhão de dólares, um dinheiro para capital de giro do setor fumageiro", afirmou na ocasião para uma emissora de rádio. No próprio site do PTB, é dado destaque à reunião que o parlamentar teve com o vice-presidente do BB, José Maria Rabelo, na qual ele afirma: "Nos últimos dias meu expediente foi no Banco do Brasil."Moraes argumentou que a safra deste ano já estava vendida para o exterior, mas era preciso a liberação do crédito do Banco do Brasil para as empresas obterem capital para adquirir o fumo do produtor rural, industrializá-lo e mandá-lo para fora do País.O deputado argumenta que é defensor sim da indústria do fumo e diz que o dinheiro liberado servirá para contratação de 9 mil pessoas nas empresas e 800 mil nas roças. "Esse produto está vendido para o exterior. Porém, é preciso do capital de giro para adquirir do produtor rural e depois industrializar e remeter para o exterior", disse em entrevista, na ocasião da liberação dos recursos. As duas empresas que entre outras acabaram beneficiadas pelo trabalho do parlamentar foram doadoras de sua última campanha. Elas repassaram R$ 72.500 - o equivalente a 59% do total arrecadado por ele, R$ 121 mil. A Alliance One deu para a campanha de Moraes R$ 35 mil, em uma única cota. A CTA Continental repassou R$ 37.500 em duas datas distintas. Moraes foi prefeito de Santa Cruz do Sul de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004. A cidade é considerada a capital do tabaco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.