Divulgação
Divulgação

Deputado petista acredita que saída do PMDB não fortalece impeachment

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) já considera o desembarque do PMDB do governo, mas não acredita que a decisão fortalecerá o impeachment da presidente Dilma Rousseff

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

29 de março de 2016 | 11h21

Brasília - O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) já considera o desembarque do PMDB do governo, mas não acredita que a decisão fortalecerá o impeachment da presidente Dilma Rousseff. "O PMDB que sairá é o PMDB que nunca esteve, portanto não mudará a contabilidade", afirmou o deputado sobre a votação do impeachment da presidente na Câmara dos Deputados. "Esse PMDB que sai hoje é aquele que sempre esteve do lado do impeachment e da conspiração", disse. Dilma precisa de pelo menos 172 votos para barrar o processo na Casa.

Teixeira acredita que uma parcela do PMDB que faz parte do governo "continuará e apoiará a continuidade do governo de Dilma". Para Teixeira, o número deste PMDB pró-governo é "suficiente para derrotar o impeachment", junto com "diversos outros partidos da base que vão derrotar o processo de impedimento". Teixeira sinalizou uma reformulação do governo caso o impeachment não seja aprovado. "Estão querendo tirar uma presidente honesta, talvez para esconder as desonestidades que estão sendo julgadas no nosso País."

Sobre o novo pedido de impeachment da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), protocolado ontem na Câmara, Teixeira considerou "um equívoco". Para ele, a direção da instituição "encaminhou de maneira incorreta a própria decisão", já que o pedido era de abertura de um processo interno. "A OAB tem momentos bons e ruins da sua história. O bom, foi quando lutou contra a ditadura militar. O ruim foi quando apoiou o golpe militar. Eu acho que esta direção da OAB, que não representa toda a advocacia brasileira, ela está na contramão da história e terá que fazer uma autocrítica, porque esse impeachment será derrotado e a entidade será desmoralizada nesse processo."

O Diretório Nacional do PMDB deve oficializar nesta terça-feira, 29, seu rompimento com o governo da presidente Dilma Rousseff. A decisão será tomada por aclamação - sem necessidade votação - após um acordo entre o vice-presidente Michel Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Os sete ministros peemedebistas no governo deverão ter um prazo até o dia 12 de abril para deixarem seus cargos. Henrique Alves, do Turismo, pediu exoneração ontem mesmo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.