Deputado pede que propaganda do plano habitacional saia do ar

Segundo Vanderlei Macris, a publicidade 'subentende que as casas a serem construídas já estão prontas'

Neri Vitor Eich, da Agência Estado,

06 de abril de 2009 | 18h48

O deputado federal Vanderlei Macris (PSDB-SP) apresentou nesta segunda-feira, 6, ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar), em São Paulo, uma representação pedindo que seja "retirada imediatamente do ar" a publicidade do governo sobre o recém-anunciado programa habitacional "Minha Casa, Minha Vida". A informação é da Assessoria de Imprensa da Macris.

 

Veja também:

especial Entenda o programa de habitação do governo federal

 

O parlamentar afirmou que a propaganda, que começou a ser exibida na televisão imediatamente após o anúncio do programa, é "enganosa e desonesta". A representação é contra a Presidência da República, que lançou a peça publicitária por intermédio da Secretaria de Comunicação Social.

 

"A propaganda deveria ser de lançamento, mas o que vemos é uma prestação de contas em que se subentende que as casas a serem construídas já estão prontas", afirmou Macris. Ele observou, segundo informação de sua assessoria, que a própria página da Presidência da República na internet anuncia que as medidas do programa "somente entrarão em vigor no dia 18 de abril - mais um fato que contradiz a peça publicitária do governo."

 

A peça publicitária, observa o deputado, "proclama que o governo constrói um milhão de casas" e associa essa afirmação a "imagens de casas e conjuntos habitacionais já construídos e de famílias felizes neles vivendo, acrescentando-se a tudo testemunhos de beneficiados pelo programa." Isso dá a entender, "de modo furtivo", segundo Macris, que as casas já estão prontas e já existem pessoas nelas vivendo e que seus beneficiários estão felizes com as moradias."

Tudo o que sabemos sobre:
plano habitacinalConar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.