Deputado pagava capataz com dinheiro público

O deputado federal Luiz Carlos Heinze (PPB), que foi presidente da Comissão de Agricultura na Câmara dos Deputados, pagava os salários do capataz da sua fazenda, no município de São Borja, Rio Grande do Sul, com dinheiro público. Em 1999 Heinze contratou Jesus Salvador Santos Fraga como secretário parlamentar, mas ele era motorista e capataz da fazenda.Em maio deste ano, Fraga começou a sofrer de labirintite e tirou uma licença para tratamento. Quando foi renovar a licença, foi demitido pelo deputado. O caso só foi descoberto após Fraga ter entrado com uma ação trabalhista, que resultou em acordo no dia 6 de agosto na Justiça do Trabalho de São Borja.O deputado Heinze notabilizou-se como presidente da Comissão de Agricultura da Câmara onde conseguiu a renegociação da dívida dos agricultores passando-a do Banco do Brasil para o Tesouro Nacional. Também por ter votado contra a CLT e a CPI da corrupção. Em 1987, no início da carreira, ele esteve envolvido no escândalo do "Pró-várzea - papel ", e a associação dos agrônomos locais pediu a cassação do registro dele.Conforme denúncias da época, ele assinava projetos frios que tomavam dinheiro a fundo perdido para a drenagem de várzeas e a construção de açudes para a lavoura de arroz. Também figurou na lista de devedores de alto risco do Banco do Brasil, divulgada pela entidade em 1994.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.