Deputado Landim depõe, chora e alega inocência

Em depoimento nesta quarta-feira à Comissão de Sindicância da Câmara, o deputado Pinheiro Landim (sem partido-CE) negou envolvimento na intermediação de venda de habeas-corpus para traficantes. Segundo um dos parlamentares presentes ao depoimento, Landim chorou ao fazer o relato de sua vida e se recusou a ouvir as gravações de suas conversas com o traficante Leonardo Dias Mendonça, entre outros. O deputado tentou ainda desqualificar as gravações.No dia 25, a comissão apresenta parecer à Mesa Diretora da Câmara, provavelmente recomendando a abertura de processo contra Landim por falta de decoro parlamentar, o que poderá levar à cassação de seu mandato. "Nunca vendi habeas-corpus para ninguém. É mentira. Não assisti a gravações. O relatório não traz gravações; faz apenas insinuações e ilações", disse Landim.O deputado tentou convencer os integrantes da Comissão de Sindicância de que as gravações feitas pela Polícia Federal foram obtidas de forma ilícita, pois a Justiça teria autorizado a escuta dos telefonemas do traficante Leonardo Mendonça e não as suas ligações.Landim evitou ainda dar declarações comprometedoras sobre suas relações com o traficante. "Todo mundo conhece o Leonardo. O Brasil todo o conhece. Você não o conhecia?"No depoimento, o deputado aproveitou para acusar o presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), de o perseguir ao determinar a abertura do processo. "Estou sendo perseguido e discriminado." Alegou que foi "julgado e condenado" sem direto de defesa, apesar de ter votado no PT no segundo turno das eleições presidenciais.Sobre o depoimento, o presidente da comissão, deputado Luiz Piauhylino (PSDB-PE), disse não haver "nenhum fato novo". O relator, deputado Patrus Ananias (PT-MG), vai apresentar seu parecer na segunda-feira.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e o Congresso

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.