Reprodução
Reprodução

Deputado federal de Minas pede cassação de colega por fraude

Odelmo Leão (PP) diz que Adelmo Leão (PT) fez a letra "A" ficar parecida com o "O" nos santinhos para enganar o eleitor

Rene Moreira, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2015 | 15h56

Belo Horizonte - O deputado federal Odelmo Leão (PP) entrou com uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) contra o deputado federal eleito Adelmo Leão (PT), também mineiro. O primeiro, que obteve 179 mil votos na eleição, acusa o outro –eleito com 57 mil votos- a fraudar santinhos para lucrar às suas custas.

Segundo a denúncia, às vésperas da eleição o candidato Adelmo distribuiu panfletos onde a letra "A" de seu nome parecia com o "O" de Odelmo. As colinhas, usadas pelo eleitor para saber o número do candidato, teriam sido espalhadas nos pontos de votação de Uberlândia (MG), reduto do deputado que se diz prejudicado.


" STYLE="MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX; FLOAT: LEFT;Odelmo alega que letra A do nome de Adelmo foi substituída pelo estilo cursivo, "o que a tornou mais redonda e extremamente similar ao O". Ex-prefeito por duas vezes de Uberlândia, ele diz que tem sido um “espelho” para o candidato da vizinha Uberaba, já que as duas se localizam no Triângulo Mineiro.

Odelmo alega que foram distribuídos 100 mil impressos em Uberlândia, o que teria feito Adelmo quadruplicar o número de votos na cidade. De 1.651 em 2010 para 4.085 em 2014. "É inadmissível que alguém burle a lei utilizando o meu trabalho como apoio”, afirma.

Procurado pela reportagem, o deputado Adelmo Leão informou que não irá se manifestar sobre a denúncia, porque ainda não foi notificado e desconhece o processo. A ação foi impetrada no TRE- MG nesta terça-feira, 6.

Tudo o que sabemos sobre:
Odelmo LeãoAdelmo Leão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.