Deputado faz apelo aos radicais do PT

O deputado Paulo Delgado (PT-MG) fez hoje, na tribuna da Câmara, um apelo aos radicais do PT para que compreendam o novo papel que o partido precisa ter no Congresso, aprovem as reformas e atuem como governo. Na sua avaliação, a crítica dos parlamentares rebeldes, sobretudo neste momento de discussão das reformas, pode levar à "deslegitimação" das propostas perante a sociedade e à geração de efeitos especulativos de natureza econômica, social e política.Delgado, que integra a ala do PT afinada com o Palácio do Planalto, alertou que o comportamento hostil de petistas às propostas de mudanças na Previdência e no sistema tributário poderá "reduzir a qualidade da discussão e, pior, deixar o governo sujeito às chantagens, já que isso aumenta o custo político das demandas particulares". Ou seja, diante da resistência de setores do PT às reformas, parlamentares de outros partidos tentarão negociar o apoio nas votações. "O PT ainda não aprendeu a ser governo", constatou Delgado, deixando claro que alguns parlamentares da ala radical ainda não se deram conta de que o voto nacional foi dado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva nas eleições. "Apesar de o PT ter feito a maior bancada da Câmara, não fizemos a maioria. É ilusão achar que o governo não buscará votos na oposição para aprovar as reformas", disse o deputado.Esta tarde o senador Eduardo Suplicy (SP) voltou a procurar o presidente do PT, José Genoino, para interceder em favor dos radicais. A senadora Heloísa Helena (AL) e os deputados João Batista de Araújo (PA), o Babá, e Luciana Genro (RS) são ameaçados de expulsão por serem contrários à reforma da Previdência. Na prática, a cúpula do PT já resolveu que os três devem sair. A decisão, no entanto, ainda precisa ser oficializada pelo diretório nacional. "Não está caracterizado nenhum ato que possa justificar a expulsão da senadora Heloísa Helena nem dos outros companheiros", afirmou Suplicy. "Não que eu concorde com as opiniões deles, mas acho que todos devem respeitados."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.