Reprodução/Telegram
Reprodução/Telegram

Eduardo Bolsonaro diz que pai teve ‘dores leves’ no abdômen e que há possibilidade de nova cirurgia

Nesta manhã, o hospital atualizou a previsão de novo boletim médico sobre o estado de saúde do presidente para 'as próximas horas'

Cássia Miranda, Sofia Aguiar e Pedro Caramuru, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 11h09

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou em vídeo publicado nas redes sociais na manhã desta quinta-feira, 15, que o pai, o presidente Jair Bolsonaro, sentia apenas “dores leves” na região do abdômen, ontem à noite. Segundo o parlamentar, o chefe do Executivo  “sentia muita dor” quando deu entrada, na madrugada de quarta-feira, 14, no Hospital das Forças Armadas, em Brasília. O quadro foi causado por uma dobra anormal no intestino que impedia a passagem de alimentos e acabou levando ao acúmulo de líquido no estômago, disse o deputado.

Segundo o filho “02” relatou, ao todo, em Brasília, foi retirado cerca de um litro de líquido acumulado, o que teria aliviado as dores do presidente. No momento, segundo Eduardo, os médicos avaliam se será necessário ou não a realização de cirurgia para liberar o trânsito digestivo do presidente. Desde a noite de quarta-feira, 14, o chefe do Executivo está internado no Hospital Vila Nova Star, na Vila Nova Conceição, na Zona Sul de São Paulo, onde chegou com quadro de obstrução intestinal.

“Há uma possobilidade de cirurgia, mas também há uma esperança de que essa dobra, essa aderência se desfaça naturalmente. Os médicos estão a todo momento avaliando se faz-se uma cirurgia ou se deixa mais um tempinho para ver se consegue resolver naturalmente” , disse o deputado no vídeo.

Sobre informações de que um novo procedimento cirurgico estaria descartado, Eduardo destacou que não está com o pai no hospital paulistano, mas que é necessário saber “se descarta-se a cirurgia de emergência ou descarta-se a cirurgia porque o intestino dele voltou a trabalhar normalmente”, disse. 

Eduardo disse que esteve ontem com o pai no Hospital das Forças Armadas. “O presidente estava daquele jeito: meio baqueado com o farol baixo”, disse o filho. “Ele estava preocupado se ainda seria possível na sexta-feira (16) ir para Manaus para estar presente na motociata, mas a presença dele não será mais possível, infelizmente”, completou.

Em São Paulo, o presidente está acompanhado da esposa, Michelle, e do filho vereador, Carlos Bolsonaro (Republicanos). 

Nesta manhã, o hospital atualizou a previsão de novo boletim médico sobre o estado de saúde do presidente para “as próximas horas”. Bolsonaro está sob os cuidados do cirurgião gástrico Antônio Luiz Macedo, o mesmo que o acompanha desde 2018, após a facada da qual foi vítima durante a campanha eleitoral.  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.