Deputado é suspeito em morte de fazendeiro

O deputado estadual João Beltrão (PMDB) está sendo acusado de ser o mandante do assassinato do fazendeiro alagoano Pedro Daniel de Oliveira Lins, 56 anos, morto a tiros de escopeta na segunda-feira passada, na cidade de Taguatinga, a 488 quilômetros de Palmas (TO). O motivo do crime, segundo a polícia, seria uma dívida de R$ 55 mil que o deputado tinha com a vítima, pela compra de cabeças de gado. Como não recebeu o dinheiro, Pedro Daniel entrou na Justiça para cobrar a dívida, o que teria provocado a ira do parlamentar alagoano. Dois dos quatro pistoleiros - todos alagoanos - foram presos em flagrante, algumas horas depois do crime: Ulisses Cansanção Acioli Filho e Paulo Ney de Morais. Ulisses é gerente da Fazenda União, que fica a 50 quilômetros de Taguatinga, e que é de propriedade do deputado João Beltrão; Paulo Ney é soldado aposentado da PM de Alagoas e empregado de um matadouro-frigorífico alagoano, de Zoraide Beltrão, tia do deputado.Segundo a polícia do Tocantins, os outros dois matadores são tenentes da PM de Alagoas, conhecidos por Jairo e Talvane Luiz da Silva. A prisão dos dois pistoleiros ocorreu no município de Aurora do Tocantins (TO) e foi realizada pela equipe do delegado Vicente Gomes, enquanto o inquérito policial está sendo presidido pelo delegado regional de Taguatinga, Ricardo Lopes Bezerra. Segundo ele, há indícios suficientes do envolvimento do deputado Beltrão como mandante do crime. No momento do assassinato, que ocorreu por volta das 15h30, em uma praça pública de Taguatinga, o agricultor Rudi Becker, de 50 anos, que estava próximo ao fazendeiro, foi atingido pelos disparos dos pistoleiros. Becker está sob cuidados médicos em Taguatinga e não corre perigo de vida.O deputado João Beltrão, até agora, não se pronunciou sobre o crime. Ele está viajando e a Assembléia Legislativa está em recesso. O deputado ganhou notoriedade nacional depois que foi indiciado pela CPI do Narcotráfico, acusado de ser o braço político da Gangue Fardada, em Alagoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.