Deputado e ex-diretor do DNIT são acusados de desvio

O desvio de R$ 6,8 milhões saiu de verba para construção de eclusas para obras na orla da cidade

CARLOS MENDES, especial para AE, Agencia Estado

05 de março de 2008 | 17h56

O líder do PMDB na Assembléia Legislativa do Pará, Parsifal Pontes, o ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), Luiz Francisco Silva Marcos, e a Construtora Camargo Corrêa foram denunciados nesta quarta-feira, 5, à Justiça Federal pelo procurador da República em Marabá (PA), Marco Mazzoni. Pontes, Marcos e a Camargo Corrêa são acusados de desviar R$ 6,8 milhões destinados à construção das eclusas da Hidrelétrica de Tucuruí (PA) para obras na orla da cidade.O líder do PMDB na Assembléia Legislativa do Pará era prefeito do município quando, em 2002, foi assinado um convênio entre o DNIT e a prefeitura. O documento previa o uso da verba em obras de proteção e contenção da margem esquerda do Rio Tocantins, mas Parsifal preferiu contratar a construtora para construir uma avenida, dois terminais flutuantes, passarelas, pontes e iluminação na orla de Tucuruí.Segundo Mazzoni, antes da contratação da obra, um engenheiro do DNIT advertiu os envolvidos nas irregularidades. "São obras que não exigem grandes conhecimentos técnicos para se perceber que não se prestam a proteger eclusas", disse o engenheiro Wilson do Egito Coelho Filho em parecer. Mesmo assim, o contrato foi assinado."A continuidade da execução do convênio poderá representar a sangria de recursos da construção das eclusas de Tucuruí", alertava um relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) que deu base à ação. O procurador da República em Marabá diz na denúncia que, além de ter sido feita ignorando-se o destino legal do dinheiro, a contratação da Camargo Corrêa apresentou várias outras ilegalidades. O contrato é de novembro de 2001, apesar de o convênio com o DNIT ser de julho de 2002. O líder do PMDB na Assembléia Legislativa, o ex-diretor-geral do DNIT e a empresa informaram que só se manifestarão depois de serem notificados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.