Deputado do PT vai relatar impeachment de Arruda

Maioria na Câmara, base aliada permitiu eleição de Chico Leite porque impeachment de é dado como inevitável

Carol Pires, da Agência Estado,

22 de fevereiro de 2010 | 12h50

O relator do processo de impeachment do governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), na Câmara Legislativa será um deputado da oposição: Chico Leite, do PT. O petista foi eleito nesta segunda-feira, 22, por unanimidade, pela Comissão Especial que analisa o pedido de cassação do mandato do governador eleito. O presidente da Comissão Especial será o deputado Cristiano Araujo (PTB), da base aliada.

 

Veja também:

linkPara Gurgel, STF deve decretar intervenção

linkProcurador do DF é contra intervenção

linkNovas investigações atingem complicam PO

linkConversa cita pagamento de R$ 1,2 milhão

blog Bosco: Paulo Octávio vai desistir mesmo

especial Entenda a operação Caixa de Pandora

 

Os deputados distritais governistas, que até pouco tempo não poupavam esforços para defender Arruda, agora começam a abandonar a base aliada. O governador licenciado está preso desde o último dia 11 na superintendência da Polícia Federal (PF) acusado de obstruir as investigações sobre o chamado "Mensalão do DEM", suposto esquema de corrupção e distribuição de propina do qual ele estaria à frente.

Maioria na Câmara Legislativa, a base aliada permitiu a eleição de Chico Leite porque o entendimento é de que o impeachment de Arruda está se tornando inevitável. Deixando a responsabilidade de elaborar um parecer favorável ao prosseguimento do processo para um petista, os deputados da base aliada evitam o desgaste de contribuir com a derrocada de um governador que antes defendiam. Leite terá prazo de dez dias para apresentar um parecer que pedirá o prosseguimento do processo, ou o arquivamento dele. "Vou entregar antes dos dez dias", anunciou.

Paulo Octávio

Quanto ao processo de impeachment do governador em exercício, Paulo Octávio (DEM), o tratamento dado pelos parlamentares da base aliada, porém, começa a tornar contornos diferentes. Na semana passada, após Paulo Octávio ter desistido de renunciar ao governo, a Câmara Legislativa convocou reunião de emergência e abriu o processo de impeachment dele.

O objetivo era mostrar disposição em investigar também o vice-governador, que até então vinha sendo poupado. Paulo Octávio também é citado como um dos beneficiários do esquema.

Ao longo do final de semana, os deputados governistas se encontraram com Paulo Octávio e voltaram aos trabalhos nesta segunda com uma estratégia diferente. Querem atrasar a análise do impeachment do governador em exercício e dar sobrevida a ele. Para isto, a escolha do relator do processo contra Paulo Octávio foi adiada para quinta-feira desta semana.

A estratégia é poupar Paulo Octávio pelo menos até a análise, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), do pedido de habeas-corpus de José Roberto Arruda. Batista das Cooperativas (PRP) deve ser o escolhido para relatar o processo de impeachment do governador em exercício.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.