Deputado do PT na CCJ diz que vota contra taxar inativos

Mesmo sob a ameaça de sofrer uma punição, o deputado João Fontes (PT-SE) garantiu hoje que vai votar contra a cobrança da contribuição previdenciária sobre os proventos dos servidores públicos inativos, prevista na reforma da Previdência. Junto com o deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), Fontes é um dos petistas que será substituído na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara por ter se posicionado contra a taxação dos inativos. "A minha posição é ideológica e jurídica. Essa matéria é inconstitucional e confiscatória", afirmou Fontes. "Vou continuar na mesma linha. Prefiro ser deputado de um mandato só a ter de mudar o meu ponto de vista jurídico", disse o deputado, que antes de se eleger era advogado do PT em Sergipe. Fontes considerou precipitada a abertura de processo no Conselho de Ética pela cúpula do PT para expulsar os parlamentares que não concordam com a reforma da Previdência e ameaçam votar contra a taxação dos inativos. "É um equívoco do partido querer expulsar alguém por causa de um acordo com os governadores e, com isso, passar por cima da história do PT", lamentou. A decisão de substituir Fontes e Biscaia na CCJ foi tomada na sexta-feira em reunião de lideranças governistas com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. "Isso mostra a interferência do Executivo no Legislativo e lembra a época da ditadura quando as punições vinham em doses homeopáticas", ironizou Fontes. A bancada do PT na Câmara se reúne amanhã, quando o líder do partido, deputado Nelson Pellegrino (BA), deverá indicar os substitutos de Fontes e Biscais na CCJ.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.