Agência Câmara
Agência Câmara

Deputado do PT aciona polícia legislativa ao ser acusado de ladrão por ativista

Manifestante do grupo NasRuas ficou conhecida por se algemar a um pilar da Câmara para pedir o impeachment de Dilma

Renan Truffi, O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2017 | 14h58

BRASÍLIA - O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) acionou policiais do Congresso para deter a ativista Carla Zambelli, do Movimento NasRuas, nesta quinta-feira, 30, após ser acusado de roubar. A confusão aconteceu no Senado Federal quando Pimenta e o deputado Wadih Damous (PT-RJ) deixavam a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS. Com uma câmera nas mãos, Zambelli abordou os parlamentares para questioná-los sobre críticas ao juiz Sérgio Moro.

+++ Líder de movimento pró-impeachment defende Ives Gandra Filho no Supremo

No vídeo, disponibilizado pela ativista em sua rede social, Pimenta diz para Carla "ir trabalhar". Na sequência, a líder do Nas Ruas faz a acusação contra o deputado. "Eu estou trabalhando, diferente de vocês que estão roubando".

+++ Em protesto, grupo levanta bonecos infláveis de Janot e Gilmar: 'Enganot e Gil-lax'

A afirmação motivou o parlamentar a acionar a Polícia Legislativa, que levou Carla Zambelli para prestar esclarecimentos. Na discussão, a ativista chegou a afirmar também que Pimenta teria "medo de Sérgio Moro". "Na hora que o senhor perder o foro privilegiado, o senhor vai encontrar com ele, viu. Vai ter um encontro bem gostoso com ele", afirmou.

Pimenta também será chamado para prestar esclarecimentos sobre o episódio, segundo informações da Polícia Legislativa. O petista teve seu nome mencionado por delatores da Odebrecht e aparece em documentos da empreiteira sob o apelido de "Montanha".

Carla Zambelli ficou conhecida por se algemar em um pilar da Câmara dos Deputados, em 2015, para pedir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em junho deste ano, após o presidente Michel Temer ser implicado em denúncias pela Procuradoria-Geral da República, a ativista disse que o NasRuas atuava de forma voluntária em favor do governo e não enxergava indícios suficientes para seu afastamento do cargo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.