Deputado do PSDB deixa o partido

Menos de 48 horas após a mudança no comando tucano, o PSDB conta a primeira perda. O deputado federal Ricardo Ferraço (ES) comunicou hoje o desligamento do partido. Ele ficou contrariado com a solidariedade prestada pela cúpula tucana ao governador do Espírito Santo, José Inácio (PSDB), que vem sendo investigado pelo Ministério Público (MP). A manifestação de apoio ao governador teria ocorrido na sexta-feira, num almoço na casa do presidente da Câmara dos Deputados, Aécio Neves (PSDB-MG). "Essa solidariedade absoluta é descabida, porque o governador e seu governo estão totalmente sob suspeita", protestou Ferraço, por telefone.O deputado refere-se, especificamente, a duas denúncias que estão sendo investigados pelo MP no Estado. Numa delas, o presidente da filial brasileira de uma empresa multinacional teria denunciado a cobrança de propinas por parte de assessores do governador. Na outra, a acusação é de que dois empreiteiros teriam pago uma dívida de cerca de R$ 3 milhões contraída por Ferreira junto Banco do Estado do Espírito Santo (Banest), às vésperas da campanha eleitoral para o governo do Estado em 1998."O partido fez uma opção ética e politicamente equivocada", avaliou Ferraço, que ainda não decidiu a qual partido se filiará. "No mínimo, a cúpula deveria esperar até que a investigação fosse concluída", afirmou o deputado, que foi o mais votado no Estado, com 76 mil votos, e é alinhado, politicamente, ao prefeito de Vitória, Luiz Paulo Veloso Lucas (PSDB), e ao líder do PPS no Senado, Paulo Hartung (ES) - este, um ex-tucano que também deixou a legenda em razão de divergências políticas com Ferreira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.