Deputado do PMDB se revolta contra acordo com PT

Em nota intitulada "As nossas bandeiras não são as do PT", o deputado Eliseu Padilha (PMDB-RS) revoltou-se contra o anúncio de que o PMDB passaria a integrar o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, contrariando a posição oficial da Executiva do partido de se manter independente. "Não passa de uma posição isolada de quem tem interesse pessoal em aderir ao governo", afirma Padilha.O acordo foi anunciado ontem à noite pelo líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), e o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, pelo qual o senador Amir Lando (PMDB-RO) foi indicado para ser o líder do governo no Congresso e o PMDB passaria a fazer parte do governo. Segundo Padilha, "as eleições reservaram ao PMDB o papel de oposição". Portanto, a notícia sobre o acordo fechado ontem à noite surpreendeu as principais lideranças peemedebistas. "Há duas semanas, a Executiva deixou muita clara a postura de manter total independência", lembra Padilha. Ele informou que hoje de manhã manteve contato com o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), e nesse encontro foi reafirmada a posição, apesar do aceno do governo para abrir espaço na futura reforma ministerial.Padilha classificou o acordo como "uma grande mentira". "Com certeza, as nossas bandeiras não são as do PT", afirmou o deputado, lembrando a posição que o PMDB assumindo no contexto das reformas. Segundo Padilha, deputado federal gaúcho mais votado nas últimas eleições (com 194,4 mil votos), os projetos de mudança na área previdenciária são bandeiras antigas do PMDB. "Agora no governo que o PT aderiu a elas", observa o deputado na nota, lembrando que o PT chegou a expor em outdoors aqueles que pretendiam votar a favor da reforma da Previdência, que foram "tratados como traidores dos trabalhadores". Padilha também se manifestou contrário à contribuição previdenciária dos servidores públicos inativos. "As reformas precisam ser sempre para o futuro, e nunca retirando as conquistas já garantidas dos aposentados", conclui a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.