Celso Junior/AE
Celso Junior/AE

Deputado do dinheiro na meia mantém comando da Câmara

Presidente da Câmara Legislativa do DF disse que ficará no cargo apesar das pressões da oposição pela sua saída

Carol Pires, da Agência Estado,

11 de janeiro de 2010 | 19h08

O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Leonardo Prudente (sem partido), um dos acusados de receber propina do esquema de corrupção conhecido como "Mensalão do DEM", disse nesta segunda-feira, 11, que permanecerá no comando da Casa, apesar da pressão da oposição para que se afaste do cargo até que terminem as investigações.

 

Em inquérito instaurado a partir das investigações feitas pela Polícia Federal na Operação Caixa de Pandora, Prudente é acusado com outros nove deputados distritais de envolvimento no esquema, supostamente comandado pelo governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (ex-DEM).

"Os trabalhos vão continuar e vou permanecer no cargo, porque é um direito constitucional e porque eu tenho um dever a cumprir", justificou Prudente, sem especificar a qual dever se referia.

  

Veja também:

linkBase aliada de Arruda é maioria em investigação de denúncias

 

 

Prudente é o deputado flagrado em vídeo colocando nos bolsos e nas meias maços de dinheiro do suposto esquema de corrupção. Ele havia pedido afastamento da presidência da Câmara Legislativa por 60 dias, mas, menos de um mês depois, voltou ao cargo sem comunicar sua decisão à Mesa Diretora. O PT apresentou um requerimento ao plenário pedindo o afastamento de Prudente do comando do legislativo distrital.    

 

Abuso de poder

De acordo com Prudente, porém, o único interessado na sua saída é o vice-presidente da Câmara, Cabo Patrício, do PT. Em resposta ao pedido do PT para que Prudente saia do cargo, 11 deputados aliados ao presidente da Casa apresentaram também um requerimento pedindo o afastamento de Cabo Patrício da vice-presidência. Os governistas alegam que Patrício também é alvo de processo disciplinar no Conselho de Ética sob acusação de abuso de poder durante um incidente no trânsito.

Os requerimentos, porém, só poderão ser analisados no próximo dia 2, quando as sessões plenárias serão reabertas. Por enquanto, apenas a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e a CPI da Corrupção estão em funcionamento na Câmara Legislativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.