Deputado do castelo escapa de punição

O Conselho de Ética da Câmara decidiu ontem absolver, em definitivo, o deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) da acusação de mau uso da verba indenizatória. A medida levou o deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), que chegou a relatar o processo contra "o dono do castelo", a renunciar à vaga no colegiado. "Voto a favor da cassação é estranho. Como se usa tanto a retórica para tapar o sol com peneira. Essa decisão pesa para imagem do conselho desta Casa. Comunico, portanto, que vou renunciar", avisou.Por 9 a 3, o conselho aprovou relatório do deputado Sérgio Brito (PDT-BA), que recomendava o arquivamento. Moreira ficou conhecido por ter um castelo de R$ 25 milhões. Ele utilizou R$ 230,6 mil da verba indenizatória para pagar serviços de segurança de duas empresas de sua propriedade. Segundo Brito, o uso de verba para pagar serviços de empresas da própria família só foi proibido em 7 de abril. Esta foi a terceira vitória de Moreira no conselho. O presidente do órgão, deputado José Carlos Araújo (PR-BA), disse que o parecer agora segue para a Mesa Diretora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.