Divulgação
Divulgação

Deputado diz que projeto de anistia a caixa 2 foi motivado por delações da Odebrecht e OAS

'Quem vai acreditar que não se quer livrar a cara de todos? Bem na hora em que as duas maiores empreiteiras do País negociam delação, a OAS e a Odebrecht', ironiza Ivan Valente (PSOL-SP)

Isadora Peron e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2016 | 14h28

BRASÍLIA -  O líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP), afirmou que a tentativa de votar um projeto de lei que poderia anistiar a prática de caixa 2 em campanhas tem a ver com o fato de empresários de grandes empreiteiras estarem negociando delações premiadas no âmbito da Operação Lava Jato.

"Quem vai acreditar que não se quer livrar a cara de todos? Bem na hora em que as duas maiores empreiteiras do País negociam delação, a OAS e a Odebrecht, e têm uma mega lista de parlamentares implicados, o Congresso vem e quer passar uma borracha geral nisso?", afirmou.

Segundo Ivan Valente, o projeto só não foi votado na noite de segunda-feira porque houve "uma grita dos deputados que ainda têm juízo". "Eu não pensei que pudéssemos chegar a tanto. Nós não tivemos acesso ao relatório. Esse projeto não tem paternidade. Foi gestado tanto por gente do governo quanto da oposição", disse.

As declarações do líder do PSOL aconteceram durante uma audiência da comissão especial da Câmara que debate o pacote de dez medidas anticorrupção proposto pelo Ministério Público Federal.  O tema dominou a discussão do colegiado, que aprovou um requerimento para que o vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino venha à comissão para falar sobre a criminalização do caixa 2 em campanhas.

Delações. A delação de empresários da Odebrecht, incluindo o dono da empreiteira, Marcelo Odebrecht, está na fase final. Em março, uma planilha com a indicação de pagamentos feitos pela Odebrecht a políticos foi encontrada pela força-tarefa da Operação Lava Jato. A lista trazia pelo menos 279 nomes ligados a 24 partidos políticos.

A delação da OAS também deve ser retomada após a Procuradoria-Geral da República determinar a suspensão das negociações em agosto, depois de informações sobre o acordo vazarem para a imprensa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.