Deputado desiste de candidatura e vira secretário em MG

Nomeação de Eros Biondini (PTB) motivou críticas da oposição, que alega troca de cargo por desistência

Marcelo Portela, da Agência Estado

17 de outubro de 2012 | 17h09

BELO HORIZONTE - Após desistir da candidatura a prefeito de Belo Horizonte, o deputado Eros Biondini (PTB) foi nomeado para a Secretaria de Estado de Esporte e Juventude de Minas Gerais. Biondini desistiu de participar da eleição municipal no último dia para registro das chapas e declarou apoio ao prefeito Marcio Lacerda (PSB), reeleito em primeiro turno e que, após o racha com o PT, passou a ter a candidatura capitaneada pelo PSDB do senador Aécio Neves (MG) e do governador Antônio Anastasia.

 

A nomeação do deputado do PTB de Minas Gerais para o cargo provocou diversas críticas nas redes sociais da internet, principalmente de opositores a Anastasia e Lacerda, com declarações de que o ato foi um "pagamento" pela desistência e pelo apoio ao prefeito reeleito. Antes de o PT deixar a aliança em torno de Lacerda, a candidatura de Biondini era vista com "preocupação" por integrantes da campanha do PSB, pois ele é ligado à Igreja e à juventude.

 

O anúncio do deputado do PTB para o cargo foi feito pelo governador de Minas Gerais na nesta terça-feira, 16, mas, em setembro, o próprio Biondini havia adiantado a nomeação. Em vídeo no qual pede votos para o prefeito reeleito de Ritápolis (MG), Marcus Gimenez (PT), o deputado lembra que faz parte da base dos governos da presidente Dilma Rousseff e dos tucanos em Minas e anuncia o novo cargo. "O governador já assumiu compromisso comigo. Eu serei o novo secretário de Esporte e Juventude. Como poderei investir nessa cidade...", afirma no vídeo.

 

Mas Biondini negou que tenha negociado a função. Ligado à bandeira da luta contra a dependência química, ele disse que o próprio nome havia sido "ventilado" para a secretaria anteriormente, mas que ele recusou. "Não me senti preparado", declarou. Biondini afirmou ainda que respeita "politicamente" as críticas, mas atribui os ataques a "desafetos das eleições". "Estou convicto da minha condição e preparado para o cargo", disse, lembrando que, por ser da base de Dilma, pode facilitar a interlocução com a administração federal.

 

Mensalão. A nomeação do deputado petebista como secretário impediu que o ex-deputado federal pelo PTB Romeu Queiroz, condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento do mensalão, assumisse uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas. Queiroz ficaria com a vaga de Delvito Alves (PTB), eleito prefeito de Unaí, no noroeste de Minas. Mas, com o retorno do então secretário Bráulio Braz (PTB) ao Legislativo, Queiroz voltou para a segunda suplência, precedido pelo também petebista Juninho Araújo.

 

Mas a saída de Biondini da Câmara dos Deputados abriu espaço para o retorno de Isaias Silvestre (PSB) ao Congresso. Ele foi acusado pelos empresários Luiz Antônio e Darci Vedoin de receber propinas em 2003 e 2004 para favorecê-los em emendas para a equipamentos médico-hospitalares no esquema que ficou conhecido como "máfia dos sanguessugas", desbaratado pela Polícia Federal (PF) em 2006. Silvestre negou as acusações.

 

Além de Biondini, Anastasia anunciou ainda o filho de Lacerda, Tiago Lacerda, para a Secretaria Extraordinária da Copa. Tiago Lacerda já havia ocupado cargo semelhante na gestão do pai, mas teve de deixar a secretaria após questionamentos do Ministério Público Estadual (MPE) contra a nomeação. Lacerda toma posse nesta quinta-feira, 18.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições 2012minas geraisnomeação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.