Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Deputado denuncia fraude em lista de ajuda federal

Uma troca de letra ou a retirada de um acento, e pronto: está feito o "milagre" da multiplicação de nomes na listagem dos beneficiados pelo programa federal Bolsa Renda em Quixeramobim e Tamboril, a 224 quilômetros e 329 quilômetros de Fortaleza, respectivamente. No primeiro caso, 198 beneficiados tiveram os números de CPF ou de identidade duplicados, ?engordando? a lista. A denúncia é do deputado estadual José Nobre Guimarães (PT-CE).Acrescente-se a letra "c" ao nome de Vitor Lino e ele dá origem a um possível "clone": Victor Lino. Mas o número de identidade e o nome da localidade de origem são iguais. Com a troca de uma letra e um acento agudo, Maria muda de sexo e vira Mário. Em um outro caso, o nome é o mesmo e a identidade também mas, como em todos os 198 registros suspeitos, os números de inscrição são distintos, como se fossem pessoas diferentes.A lista foi retirada por Guimarães do site da Internet da antiga Agência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). O deputado chama a atenção para o crescimento na concessão do benefício em um curto intervalo de tempo. Em julho do ano passado, o Ceará recebeu R$ 7,1 milhões. Em dezembro, o valor foi para R$ 12,7 milhões.O prefeito de Quixeramobim, Cirilo Pimenta (PSDB), desconhece a fraude. O prefeito de Tamboril, Francisco Timbó, também. Segundo o gerente do Grupo Tarefa da Seca, da Secretaria do Desenvolvimento Rural do Estado, Haroldo Holanda, a lista dos beneficiados foi disponibilizada na Internet (www.sudene.gov.br) justamente para que qualquer cidadão possa ajudar a fiscalizá-la. Quanto ao aumento da concessão, ele alega que houve uma atualização dos dados, que eram de 1996.O Ceará foi um dos Estados do Nordeste que mais recebeu recursos do Bolsa Renda, cujo objetivo é ajudar vítimas da seca com R$ 60,00 mensais por família. Foram 137 municípios inscritos. No total, o Estado recebeu R$ 66,2 milhões. A denúncia foi encaminhada por Guimarães à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.