Deputado compara violação de painel a Watergate

O deputado Waldir Pires (PT-BA) fez na tarde desta terça-feira um discurso no plenário da Câmara pedindo a cassação do senador Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA). Para o deputado - um dos principais adversários do senador na política baiana -, a violação do sigilo do painel eletrônico, da qual ACM teria participado, é um fato mais grave do que o que levou Richard Nixon a renunciar à Presidência dos Estados. Pires lembrou que Nixon, do Partido Republicano, admitiu ter sido conivente com a escuta telefônica na convenção do Partido Democrata, que se realizava no hotel Watergate. "ACM é acusado de ser o indutor (da violação do sigilo), mas, sem dúvida alguma, foi o responsável e fez isso para exercer a truculência, ameaçando senadores no voto cotidiano. Por isso, tem que ser excluído da vida parlamentar do Brasil", afirmou Waldir Pires. O líder do PSB na Câmara, Eduardo Campos (PE), fez um breve pronunciamento considerando que, embora o epicentro da crise institucional esteja no Senado, a Câmara não pode se omitir de também apurar responsabilidades nesse caso e que o melhor caminho seria a instalação de uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI mista) para apurar denúncias de corrupção no governo. "A investigação (por uma CPI) daria curso institucional para que se resolvesse a crise", afirmou Eduardo Campos. Ele disse ainda que o caso da violação do sigilo do painel do Senado mostra a necessidade de se acabar com o voto secreto nas deliberações congressuais e que o seu partido, o PSB, tem uma proposta de emenda constitucional (PEC) neste sentido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.