Deputado cobra anulação de votação que derrubou vetos

O deputado Zoinho (PR-RJ) cobrou nesta sexta-feira a anulação da sessão do Congresso Nacional da madrugada de quinta-feira (7) que derrubou o veto da presidente Dilma Rousseff à lei dos royalties do petróleo. Ao sustentar que houve fraude na votação, o parlamentar disse que alguém votou no seu lugar na sessão. A suspeita foi levantada por Anthony Garotinho, líder do PR da Câmara e ex-governador do Rio de Janeiro, o Estado mais prejudicado com a mudança das regras na distribuição dos royalties.

RICARDO BRITO, Agência Estado

08 de março de 2013 | 14h57

Zoinho afirmou que, diante da iminência da derrota na votação, deixou a Câmara dos Deputados na quarta-feira (6) por volta das 20 horas para pegar voo de volta ao Rio de Janeiro ainda naquela noite para chegar a tempo a um compromisso na manhã de quinta-feira em fórum em Volta Redonda (RJ). Ele disse ter avisado a pelo menos três deputados fluminenses que iria embora antes da sessão, que varou a madrugada: Paulo Feijó (PR), Leonardo Picciani (PMDB) e Walney Rocha (PTB).

O deputado do PR repassou à imprensa um bilhete de passagem aérea e a lista de votação entregue pela Mesa Diretora do Congresso na qual consta seu nome. "Houve uma fraude clara e comprovada", afirmou Zoinho, que cobra do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a anulação da votação. Ele disse ter pedido uma análise grafotécnica da sua assinatura à direção do Congresso.

Zoinho afirmou que já acionou a liderança do PR para buscar meios para cancelar a votação administrativamente. Ele não descarta recorrer à Justiça, em caso de o próprio Congresso manter a sessão. "Espero que a Mesa Diretora corrija esse erro, senão a Casa vai ficar sob suspeita", criticou. "Essa votação não pode ter validade. Vamos para o Supremo, se for preciso", completou.

Tudo o que sabemos sobre:
royaltiesreaçãoZoinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.