Deputado acusado pela CPI pode ter processo arquivado

O deputado Zenaldo Coutinho (PSDB-PA), relator do processo contra o deputado Érico Ribeiro (PP-RS) no Conselho de Ética, anunciou nesta quarta-feira que vai pedir o arquivamento do processo contra o parlamentar. Érico foi acusado pelo dono da Planam, Luiz Antonio Vedoin, de ter recebido R$ 10 mil por meio do assessor Flávio Santos Silva. Os Vedoin são acusados de chefiar o esquema de superfaturamento de ambulâncias.O deputado Érico prestou depoimento nesta quarta-feira na comissão e reafirmou sua inocência. Confirmou, no entanto, que o seu assessor recebeu o dinheiro como doação para campanha para Prefeitura de Pelotas, em outubro de 2004. O deputado disse à comissão que não foi comunicado do recebimento da doação, e só depois soube que a coordenação da campanha havia solicitado doação à empresa Planam. Zenaldo Coutinho justificou sua decisão afirmando que analisou os autos do processo, os documentos fornecidos pela CPI dos Sanguessugas e os depoimentos dos Vedoin, e que não encontrou nada que depusesse contra o deputado Érico Ribeiro. ?Estou convicto, e com juízo formado, para propor ao conselho a absolvição do deputado Érico Ribeiro?, afirmou. Zenaldo disse que o fato de Luiz Antonio Vedoin ter acusado Érico Ribeiro e depois retirado a acusação não foi considerado porque não havia prova contra o parlamentar gaúcho. O relator informou que apresentará seu parecer pelo arquivamento do processo na próxima quarta-feira, 6. Este é o primeiro dos 67 casos de parlamentares acusados pela CPI dos Sanguessugas a ser julgado pelo Conselho de Ética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.