Deputado acusado de ter relações com menores não será processado

O presidente da Câmara legislativa de Brasília, deputado Benício Tavares (PMDB), acusado de ter relações sexuais com menores de idade em um barco no Rio Amazonas, não será processado pelos colegas. A decisão foi tomada nesta sexta-feira por quatro dos cinco membros da comissão de ética que recusaram o relatório do corregedor da Assembléia Distrital, deputado Wilson Lima (PMDB), que pedia a abertura de processo para investigar as denúncias.Há cerca de dois meses, Benício participou de um passeio com menores de idade suspeitas de prostituição, tendo sido depois reconhecido e apontado pelas meninas. Votaram a favor de Benício os deputados Gim Argello (PMDB), Jorge Cauhy (PFL), Wigberto Tartuce (PP) e Anilcéia Machado (PMDB), presidente da Comissão. A única da comissão a votar pela punição foi Érica Kokay (PT)."Foi um absurdo. A Câmara não precisa de corregedor, nem de comissão de ética", protestou o deputado Wilson Lima. Ele contou que foi pressionado pelos membros do seu partido - o mesmo de Benício - a mudar o seu relatório. "A Câmara vai se autodestruir. Foi uma falta de respeito com a sociedade", desabafou. As acusações contra o presidente da Assembléia serão apreciadas pela Justiça. Ele também será julgado por suposto desvio de dinheiro de uma entidade que representa deficientes físicos que dirigia antes de ser eleito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.