Deputada quer providências sobre declaração de ministra

A deputada Andréia Zito (PSDB-RJ) apresentou nesta quinta-feira, 29, à Procuradoria Geral da República uma representação solicitando a adoção de providências em relação a ministra Matilde Ribeiro (Secretaria de Promoção da Igualdade Racial), que declarou que considera uma reação "natural" um negro se insurgir contra um branco na sociedade brasileira.A deputada disse que quer saber se a declaração da ministra configura crime de indução ou prática de discriminação ou preconceito. Autores desse tipo de delito ficam sujeitos a penas de dois anos de prisão a cinco anos e à perda do cargo público.Na última quinta-feira, Matilde afirmou à BBC Brasil que "a reação de um negro de não querer conviver com um branco, eu acho uma reação natural. Quem foi açoitado a vida inteira não tem obrigação de gostar de quem o açoitou".Ainda na quinta ela, por meio de sua assessoria, divulgou nota dizendo que não estava incitando esse tipo de comportamento. A ministra acrescentou que apenas reconhece a histórica situação de exclusão social de determinados grupos étnicos no Brasil, prevalecente após 120 anos da abolição, que pode, por vezes, provocar esse tipo de atitude - também condenável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.