Deputada chora pelo filho preso no caso das ambulâncias

A deputada Edna Macedo (PTB-SP) chorou no plenário quando foi discursar sobre a prisão de seu filho Octávio José Bezerra Fernandes na Operação Sanguessuga. O filho da deputada, que já trabalhou no gabinete parlamentar da mãe, é um dos envolvidos pela Polícia Federal na suspeita de integrar quadrilha que usava dinheiro do Orçamento para a compra superfaturada de ambulâncias para diversos municípios. O nome da deputada, que é irmã do dono da igreja Universal, Edir Macedo, também está na lista de 63 deputados encaminhada pela PF à Câmara e que está sob análise do corregedor, deputado Ciro Nogueira (PP-PI). A deputada disse que seu filho foi preso injustamente e que não houve "sequer uma averiguação". Ela disse estar abalada emocionalmente e contou que visitou Octávio na prisão em Cuiabá no domingo passado. "Não criei nenhum bandido. Eu tenho quatro filhos, cinco netos. Eu não acredito no que estou vendo nem no que estou sentindo em meu coração", afirmou a deputada. "Eu não estou envolvida em nada, não. Graças a Deus, não estou envolvida em nada", continuou.Edna Macedo disse que seu filho tem boa índole. O discurso preparado pela deputada, que não foi lido, foi publicado nas notas taquigráficas da sessão. Nele, Edna Macedo considerou arbitrária a prisão de seu filho e disse que, no processo judicial, não há qualquer evidência que justifique a acusação contra Octávio. "Não podemos reprimir a sensação de que nosso filho, Octávio, o Tavinho, é, na realidade, um preso político", diz o discurso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.