Mastrangelo Reino/Estadão
Mastrangelo Reino/Estadão

Deputada brasileira na Itália afirma que defesa do pedido foi ‘protocolar’

Em Roma, Renata Bueno avalia que ação não foi suficiente para convencer a Justiça italiana a extraditar Pizzolato

Jamil Chade - ENVIADO ESPECIAL, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2014 | 03h00

MÓDENA - O governo brasileiro agiu de forma “protocolar” e insuficiente para convencer a Justiça da Itália a extraditar Henrique Pizzolato, condenado por envolvimento no mensalão, afirmou nesta quarta-feira Renata Bueno, deputada brasileira no Parlamento Italiano.

Pizzolato, que desde fevereiro estava preso em Módena, foi solto na terça-feira após a Corte de Apelação de Bolonha rejeitar o pedido de extradição. A Justiça italiana concluiu que o Brasil não atende às exigências mínimas em suas prisões para receber um detento. Entre os argumentos apresentados pela defesa estavam declarações da presidente Dilma Rousseff confirmando que a situação das prisões nacionais não é adequada.

“A ação do Brasil foi protocolar”, afirmou Renata, que na quarta-feira usou a tribuna em Roma para levantar a questão.

O ex-diretor do Banco do Brasil foi condenado a 12 anos e 7 meses de prisão no julgamento do mensalão. Há um ano, ele fugiu para a Itália com um passaporte falso de um irmão morto em 1978. Em fevereiro, Pizzolato foi descoberto na casa de um sobrinho em Maranello e preso.

O governo brasileiro anunciou que vai recorrer à Corte de Apelação em Roma, mas o Ministério Público italiano, que havia defendido a extradição, ainda avalia se fará o mesmo. “Não temos uma decisão ainda”, disse o procurador italiano Alberto Candi.

O principal desafio do Brasil era rebater as acusações da defesa de Pizzolato de que a Justiça não deveria permitir a extradição porque as prisões brasileiras não oferecem garantias aos direitos humanos dos presos.

A defesa de Pizzolato usou relatórios da ONU, apresentou documentos mostrando a rebelião em Pedrinhas, no Maranhão, e citou dois homicídios no Complexo da Papuda, para onde iria o condenado.

O Brasil apresentou fotos de celas, hortas e alas da Papuda sem qualquer detento. Até a defesa de Pizzolato se disse surpresa com a documentação. “O Brasil não negou o que dissemos, que as prisões não respeitam os direitos humanos”, disse Alessandro Sivelli, advogado do ex-diretor do BB.

A Procuradoria-Geral da República disse que foi feito um extenso levantamento sobre o sistema prisional, antecipando-se à tramitação do processo na Itália. O órgão explicou que as imagens não têm presos porque isso violaria o direito desses detentos.

O Brasil terá um indicativo se Pizzolato poderá ser extraditado em janeiro. A mesma Corte de Cassação de Roma julgará pedido de extradição do holandês Ronald Van Coolwijk, condenado aqui a 20 anos por tráfico de droga. A Itália já indicou que vai tomar uma decisão baseada nas condições das prisões brasileiras.

Tudo o que sabemos sobre:
MensalãoPizzolato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.