Depois de Serra, Kassab cola em FHC

Prefeito e ex-presidente participam de homenagem a Ruth Cardoso

O Estadao de S.Paulo

17 de outubro de 2008 | 00h00

O prefeito e candidato à reeleição Gilberto Kassab (DEM)participa hoje de um evento ao lado do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, numa demonstração de força para neutralizar a presença constante do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha da adversária Marta Suplicy (PT). Fernando Henrique, que no primeiro turno apoiou discretamente o candidato derrotado do PSDB, Geraldo Alckmin, aparecerá pela primeira vez ao lado de Kassab nesta eleição. Ambos vão participar de uma homenagem à ex-primeira-dama Ruth Cardoso, morta em junho, que vai dar nome ao Centro Cultural da Juventude, na Vila Nova Cachoeirinha, zona norte, administrado pela prefeitura. O evento reunirá ainda o governador José Serra (PSDB) e a cúpula tucana.A solenidade havia sido programada para ocorrer no primeiro turno. Foi desmarcada, porém, para evitar maiores constrangimentos ao dividido PSDB, já que caciques do partido apareceriam juntos de Kassab, àquela altura maior rival de Alckmin. Por ser um evento institucional da prefeitura, o candidato tucano não era um dos convidados. O encontro ocorre um dia antes de Lula reaparecer na campanha de Marta. A coordenação do DEM avalia que os eventos com caciques tucanos servem para mostrar que Kassab também tem cabos eleitorais de peso. Mas acreditam igualmente que esse confronto de titãs contribui para a federalização da campanha, desviando o foco do debate municipal, onde apostam que levam vantagem.Ontem Kassab evitou polemizar com Lula. O presidente disse no dia anterior, em viagem à Índia, que Marta vencerá em São Paulo. "Ela é candidata do seu (de Lula) partido. Todos que trabalham por um candidato sempre acreditam na vitória dele, isso é normal", afirmou, após visitar um Centro Educacional Unificado (CEU) recém-inaugurado na zona sul. O objetivo da visita era gravar imagens para o programa eleitoral.O candidato reconheceu a importância do apoio de Lula para a campanha adversária, mas minimizou seu efeito prático neste segundo turno. "O voto do presidente tem peso, tanto que ela teve votação expressiva no primeiro turno. Mas é um apoio que já está consolidado, que não é mais novidade." Kassab voltou a dizer que a petista errou ao explorar em sua propaganda eleitoral a vida pessoal dele. "Isso mostra que a campanha errou, que existiam equívocos na campanha da ex-prefeita." Ele não quis comentar as decisões judiciais que deram à sua campanha vários direitos de resposta nesta semana contra a petista. "Eu cuido da minha campanha. Ela cuida da dela."Ontem, pelo terceiro dia consecutivo, a campanha de Kassab conseguiu direito de resposta perante o Tribunal Regional Eleitoral. Segundo o advogado da campanha do DEM, Ricardo Penteado, a Justiça Eleitoral concedeu mais um minuto a Kassab por causa do comercial, em rádio, que indaga se ele "esconde mais coisas".Nas contas do DEM, com as decisões favoráveis até aqui, Marta vai perder 104 minutos na TV e 102 no rádio, divididos entre todas as emissoras. O PT protestou. Em nota, a campanha de Marta diz que o adversário "usa do ardil da soma dos minutos, em cada veículo de mídia eletrônica, para inflar duas inserções que geraram direito de resposta". SILVIA AMORIM, RICARDO BRANDT e ANA PAULA SCINOCCA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.