Depois de omitir bem à Justiça Eleitoral, Viana se justifica

Senador justifica não ter declarado imóvel alegando que a propriedade está no nome de sua mulher

AE

24 de agosto de 2009 | 17h06

Tião Viana, senador do PT (AC), divulgou nota nesta segunda-feira justificando o fato de ter omitido bens à Justiça Eleitoral durante sua campanha para o Senado em 2006. Reportagem do jornal Folha de S. Paulo revelou que Viana não declarou ser dono de uma casa em um condomínio de Rio Branco, avaliada em R$ 600 mil.

 

Segundo o petista, o imóvel está registrado em cartório em nome de sua esposa, Marlúcia Cândida Viana, o que o desobriga de prestar contas da propriedade à Justiça Eleitoral. "O senador tem a declarar que cumpriu a lei 9.504, que diz que o candidato deve apresentar sua declaração de bens e foi o que ele fez", explica a nota.

 

De acordo com as denúncias, o petista comprou em 2004 um terreno avaliado em R$ 30 mil no melhor condomínio residencial de Rio Branco. No local, o senador iniciou a construção de uma casa, que foi finalizada em maio de 2007 e hoje é avaliada em R$ 600 mil.

 

A reportagem ainda informa que o senador é casado em regime de comunhão total de bens, o que torna o imóvel propriedade do casal. A legislação eleitoral não prevê punição para candidatos que omitem itens da prestação de contas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.