Depoimentos são contraditórios, diz Hartung

O líder do PPS no Senado, Paulo Hartung (ES), apontou hoje contradições entre os depoimentos dos senadores Antônio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) à Comissão de Ética do Senado. Segundo ele, há conflitos sobre o teor da conversa da ligação telefônica que ACM fez à ex-diretora do Prodasen, Regina Borges, após ter visto a lista de votação. Outra divergência refere-se, segundo Hartung, à conversa que os dois senadores mantiveram antes do encontro de Arruda com Regina, no apartamento do senador. "Há um quebra-cabeça e as peças ainda não se encaixam", disse Hartung ao deixar a sala de depoimento da comissão.Ele declarou também que os casos da violação e da cassação do ex-senador Luiz Estevão são "gravidades diferentes", embora ressalte que Estevão foi cassado por ter mentido à CPI do Judiciário e ao Conselho de Ética. "Evidentemente que é mais grave desviar dinheiro público que entrar no painel eletrônico, que por sua vez é um crime que mexe com as instituições democráticas", afirmou.O PPS divulgou hoje uma nota assinada por seu presidente, senador Roberto Freire (PE), na qual se pronuncia a favor da instauração do processo de cassação dos senadores pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado. O partido anuncia ainda que se colocará contra qualquer tentativa para abrandar a pena. "O fortalecimento da democracia não pode comportar conciliações com os crimes contra suas regras de funcionamento", afirmou o PPS. O partido proclama ainda o seu apoio ao fim do voto secreto nos casos de avaliação de veto presidencial, de indicação de nomes para cargos públicos e de cassação de mandato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.